Reuniram-se ontem, dia 2 de fevereiro, em Loures, os municípios acionistas da Valorsul: Alenquer, Amadora, Arruda dos Vinhos, Lisboa, Loures, Lourinhã, Odivelas, Torres Vedras e Vila Franca de Xira. O objetivo foi a organização de uma estratégia comum quanto à assembleia geral que solicitaram e que está marcada para a próxima quinta-feira, dia 5 de fevereiro, na sede da Valorsul, em São João da Talha, onde pretendem afirmar a sua posição. Os municípios reafirmaram ontem, em uníssono a importância desta Assembleia Geral de acionistas de forma a prosseguir com a defesa da empresa de recolha e tratamento de resíduos como maioritariamente pública.

Publicidade
Publicidade

Nessa assembleia geral o ponto de ordem mais importante será definir o propósito de uma ação judicial com a finalidade de excluir a Empresa Geral do Fomento (EGF) como sócia, tendo como fundamento a sua atuação desleal e não conforme aos interesses da sociedade, revelaram as autarquias. Os acionistas denunciam ainda as tentativas de condicionamento dos órgãos da sociedade, que se verificaram nas últimas semanas, e que terminaram com o pedido de assembleia geral, solicitada pela EGF, para reformular alguns dos órgãos sociais da Valorsul.

Estas pressões por parte da EGF revelaram que esta ação é um importante passo para que a empresa se mantenha em mãos maioritariamente públicas, o que sempre foi o objetivo dos municípios. O processo está ainda longe de chegar ao fim, pois, além dos diversos processos que ainda se encontram em poder da justiça e da possibilidade de a empresa intentar esta ação judicial, é necessário ainda que a autoridade da concorrência se pronuncie sobre a privatização, o que ainda não aconteceu.

Publicidade

Recordamos que a Valorsul é responsável pelo tratamento e valorização de resíduos urbanos de 19 municípios da zona de Lisboa e região Oeste, o que representa mais de um quinto de todo o lixo doméstico produzido em Portugal, servindo 1,6 milhões de habitantes. A empresa de tratamento produz ainda e exporta para a rede elétrica 2% dos consumos domésticos nacionais.