O Banco BPI prepara-se para ser adquirido pelos espanhóis do La Caixa. A Oferta Pública de Aquisição (OPA) foi oficialmente anunciada e aceite pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) no início da manhã desta terça-feira, dia 17. O La Caixa propõe pagar 1,329 euros por cada ação do BPI, sendo este valor um acréscimo de 27% face ao valor das ações do banco no fecho da bolsa de segunda-feira, dia 16. O grupo espanhol, que é um dos históricos acionistas do BPI, detém 44,1% do capital do banco português e propõe agora a aquisição da totalidade do capital, o que se traduz numa oferta de 1,082 mil milhões de euros. A ações do BPI estão suspensas de negociação em bolsa desde que a CMVM anunciou que a OPA era real.

Publicidade
Publicidade

Apesar de ser uma surpresa, esta oferta foi devidamente acordada entre as duas instituições, sendo assim uma OPA amigável. Há vários anos que se especulava que o La Caixa estaria perto de tomar conta do banco liderado por Fernando Ulrich, pelo que o momento não terá sido escolhido ao acaso. Recordemos que o Banco BPI é um dos candidatos à compra do Novo Banco, onde tem como principais concorrentes diretos os espanhóis do Banco Santander. Assim que o BPI anunciou a intenção de compra do Novo Banco, o La Caixa expressou o seu apoio no investimento, pelo que esta OPA estará enquadrada na reestruturação do BPI para conseguir adquirir os ativos financeiros do antigo BES.

A conclusão desta OPA não deverá ser difícil, pois o mínimo aceitável pelo grupo espanhol para que a mesma tenha sucesso é a aquisição de 50% do capital do BPI, sendo que atualmente já detêm 44,1%.

Publicidade

Aguarda-se no entanto a reação dos outros dois principais acionistas do BPI, mais precisamente de Isabel dos Santos, que detém 18,6% do capital, e da a Allianz, que tem pouco mais de 8% do capital do BPI.

O BPI é atualmente o quarto maior banco português, no que diz respeito a créditos e ativos financeiros e o terceiro maior banco ao nível de depósitos. No passado dia 29 de Janeiro o BPI apresentou um prejuízo de 161,6 milhões de euros referentes aos resultados apurados para o ano de 2014. #Negócios #Bancos