A cobrança segundo preçário em tudo o que são serviços bancários é já uma realidade, no entanto alguns #Bancos cobram mais do que outros. Assim sendo o Banco de Portugal (BdP) resolveu passar a divulgar no Portal do Cliente Bancário, alguns elementos que podem ajudar a comparar os valores das comissões dos vários bancos. Passou assim a ser possível comparar as comissões de manutenção de conta, bem como o valor mínimo para se proceder à abertura de uma conta à ordem nos oito bancos que comercializam este tipo de conta. A disponibilização desta informação vem na sequência de diversas reclamações apresentadas ao BdP, contra esta prática de cobrar comissões, até para se ter uma simples conta à ordem.

Publicidade
Publicidade

Analisando as comissões anuais, verificamos que o BIC é o que cobra o valor mais baixo, ou seja 24 euros, contrapondo com o BPI que tem o valor mais alto, 75 euros. Analisando os valores de outros bancos, encontramos a Caixa Geral de Depósitos a cobrar 60 euros anuais, no Santander Totta os valores rondam os 64 euros, no BCP e BBVA as comissões praticadas estão na ordem dos 72 euros. Em resumo, podemos validar que não existe nenhuma entidade financeira que não tenha comissões anuais.

Foi também disponibilizada a informação referente aos montantes mínimos para abertura de conta à ordem. Neste aspeto, o BCP e o Crédito Agrícola destacam-se por não exigir qualquer montante. O BPI, Montepio e Caixa Geral de Depósitos estão todos eles a exigir 100 euros para a abertura de conta.

Publicidade

O Santander Totta tem como valor mínimo 150 euros e o BIC 250 euros. O valor mais alto está a ser cobrado pelo BBVA, que exige 500 euros.

A análise efetuada teve por base as designadas contas à ordem base, que incluem serviços como o cartão de débito, serviço de homebanking e balcões, realização de depósitos, levantamentos, débitos diretos, transferências internas ou para outras instituições bancárias e levantamentos em caixa automática ou ao balcão. Aos valores acima mencionados acresce sempre a taxa de imposto de selo que atualmente é de 4%.