De acordo com a revista financeira Bloomberg Business, Portugal será, durante o ano de 2015, o 10º país com a economia mais miserável do mundo. Para obter estes resultados, a publicação baseia-se no índice sobre o nível da taxa de desemprego e a taxa de inflação prevista. Assim, a revista norte-americana analisou 51 economias do mundo, num conjunto de países que possuem um produto interno bruto a rondar os 31 dólares per capita, o equivalente a 27 euros, encontrando, desta forma, os países e economias que apresentam maiores dificuldades para se trabalhar e viver.

Portugal surge no top 10 como uma das economias mais miseráveis, sendo que, de acordo com as previsões do Fundo Monetário Internacional, o desemprego pode fixar-se, em 2015, nos 13,5% e a inflação nos 1,2%.

Publicidade
Publicidade

A liderar a tabela pelo segundo ano consecutivo encontra-se a Venezuela, cuja escassez de produtos básicos no país pode fazer disparar a taxa de inflação para os 78,5% durante este ano. Também em posição menos favorável mantêm-se a Argentina e a África do Sul, que ocupam o segundo e terceiro lugar. Recorde-se que já no ano passado ocupavam posições entre os cinco primeiros países mais miseráveis.

O ranking é ainda composto por países como a Ucrânia, Grécia, Espanha, Rússia e Croácia, todos eles, de acordo com a ordem da tabela, na frente de Portugal. Para trás ficam as economias da Itália, Colômbia, Brasil, Eslováquia e Indonésia, entre as quinze primeiras. Portugal tem vindo a ser, desde o início da crise financeira que se abateu sobre a Europa, um dos países considerados mais pobres.

Publicidade

Em 2010, segundo o Eurostat, o país ocupava a 9ª posição, tal como em 2014, sendo ultrapassado por países como a Bulgária, Roménia, Croácia, Hungria, Polónia, Letónia, Grécia e Estónia.

Estes dados vêm agora desacreditar as declarações da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que há dias havia afirmado ser necessário desvalorizar o fenómeno da emigração jovem, uma vez que os jovens hoje em dia possuem mais oportunidades de emprego, até mesmo dentro da Europa com os programas de mobilidade. A verdade é que na lista agora divulgada entre os 15 primeiros países mais miseráveis, cinco deles são europeus.