A Embraer prepara-se para expandir a sua presença em Portugal, com um novo projecto de investimento em Évora, onde tem duas fábricas. A fabricante aeronáutica brasileira já tinha dito, em Fevereiro, que queria aumentar a sua força de trabalho em 30%, fazendo crescer os quadros de pessoal que se situam em perto de 300 trabalhadores.

"Eles podem chegar, somados, a valores da ordem dos 150 milhões de euros", revelou Paulo Portas, vice primeiro-ministro, em declarações transmitidas pela rádio TSF esta segunda-feira pós-Páscoa. "Terão que esperar umas semanas pela apresentação das candidaturas, que vão ser analisadas com celeridade, sem atrasos nem demoras, pela AICEP e pelo Programa Operacional do Alentejo." O governante mostrou-se confiante de que vem aí uma terceira unidade de produção, mas não deu certezas, embora tenha garantido que estão pensados vários novos projectos de aeronáutica.

Publicidade
Publicidade

Paulo Portas falou durante uma visita às instalações das OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal, em Alverca, para assinalar o décimo aniversário da privatização. A brasileira Embraer foi precisamente a compradora de 65% do capital das OGMA, uma decisão controversa na altura.

Mas Portas esteve em Alverca para celebrar os ganhos desta decisão e o impacto positivo que a Embraer tem tido numa altura decisiva para Portugal, em especial a abertura das duas primeira unidades de produção, há três anos, num total de 180 milhões de euros de investimento. O vice primeiro-ministro usou a visita para salientar também que esta estratégia de captar mais investimento é a chave para o crescimento do país.

Em Fevereiro, em entrevista à agência Lusa, o presidente da Embraer em Portugal, Paulo Marchioto, referiu que a fábrica de estruturas metálicas já está envolvida na produção dos novos jactos comerciais E2, nomeadamente com os revestimentos da asa.

Publicidade

Este é, segundo diz o empresário, o produto "mais avançado" da Embraer até agora e tem um horizonte de lançamento marcado para 2018.

O que é produzido nas unidades alentejanas da empresa são componentes para o Legacy 500 (modelo anterior ao da imagem, Legacy 600), para o jacto E1 e para o avião militar KC-390. #Negócios