O Código da Publicidade está em consulta pública até 29 de maio. Uma das mudanças, segundo o Secretario de Estado Adjunto da Economia, Leonardo Mathias, será a obrigação de distinguir opinião de publicidade. Desta forma, os bloggers que receberem uma contrapartida financeira ou material para promoção de bens ou serviços, têm de identificar claramente os "posts" como sendo publicidade. Esta modificação pode vir a alterar, de forma significante, a forma como os blogues vão promover as marcas parceiras.

O mundo dos blogues e dos patrocínios em troca de promoção através de publicações nesses meios está a ganhar, cada vez mais, terreno. As opiniões que muitas vezes são compradas, que muitas vezes não reflectem a opinião dos bloggers, mas sim aquilo que lhes foi pedido pelas marcas, numa publicidade camuflada, invadiram esses meios. Agora, dada a importância que estes meios alcançaram a nível económico e social, vão passar a ser regulados no Código de Publicidade.

Leonardo Mathias esclarece que é importante fazer a clara distinção “clara e inequívoca” entre publicidade e opinião pessoal para que seja possível evitar erros de interpretação por parte dos leitores. Os patrocínios serão alvo de clarificação: os anunciantes e parceiros do blogue terão de ser claramente identificados nas publicações de forma a não deixar dúvidas, de quem se trata.

Esta questão assume especial importância no meio digital, como é o caso dos blogues. Isto acontece porque, nos meios digitais, existe actualmente um maior dificuldade em identificar os agentes económicos envolvidos no conteúdo apresentado. O secretário de estado adjunto da Economia alerta para a importância de todos os agentes económicos participarem no processo de revisão ao código que está agora a decorrer. Leonardo Mathias quer obter o maior número possível de contributos, uma vez que até ao momento foram poucas as entidades que contribuíram para este processo de modificação.

O Código da Publicidade está em consulta pública desde 8 de maio e até dia 29 de Maio. Seguirá para Secretaria de Estado em meados de Junho, onde posteriormente será aprovado em Conselho de Ministros. #Negócios