A passagem do Financial Times para as mãos dos japoneses da Nikkei integra a venda do FT Group por 844 milhões de libras, cerca de 1,2 mil milhões de euros. A concretização do negócio foi divulgada pela Bloomberg, depois de uma semana de muita especulação sobre o processo de venda da publicação britânica.

Em reação a esta "recente especulação na imprensa", a Pearson emitiu um comunicado esta manhã onde confirmava o estado avançado das "conversações em relação à potencial venda do Grupo FT". Contudo, o negócio ainda não era dado como concluído. Poucas horas depois, a venda foi oficializada.

Para além do Financial Times, também o site FT.com e títulos como Investors Chronicle e The Banker estão incluídos no negócio.

Publicidade
Publicidade

Já o jornal The Economist e as propriedades do grupo em One Southwark Bridge, Londres, ficaram de fora.

De acordo com informação avançada pelo Financial Times, a oferta do grupo japonês Nikkei foi superior à do grupo alemão Alex Springer, também na corrida pela compra da publicação. Citado pelo jornal britânico, John Fallon, chefe executivo da Pearson, afirmou que a empresa foi "o orgulhoso proprietário" do Financial Times durante cerca de 60 anos. Todavia, estava na altura de uma mudança no setor dos media, profundamente definido pelo crescimento galopante do consumo de conteúdos, em parte, graças aos media digitais.

O novo detentor FT Group, a Nikkei, é um dos maiores grupos de media do Japão.

Segundo o próprio Financial Times, a empresa de media japonesa regista vendas anuais a rondar os mil milhões de libras.

Publicidade

"A nossa motivação de oferecer jornalismo de alta qualidade na área de economia e noutras áreas, mantendo a justiça e a imparcialidade, é muito próxima do FT. Partilhamos os mesmos valores jornalísticos", disse Tsuneo Kita, chairman da Nikkei. O responsável pela empresa confessar estar "orgulhoso por se juntar ao Financial Times, uma das mais prestigiosas organizações noticiosas do mundo".

A Goldman Sachs, a JPMorgan Cazenove e a Evercore prestaram serviços de consultora à Pearson durante a transação, enquanto a Nikkei foi acompanhada pelo grupo Rothschild.

Dois anos após os primeiros rumores de uma eventual venda do Financial Times, o jornal britânico muda de mãos por cerca de 1,2 mil milhões de euros. A equipa editorial de 500 jornalistas tem agora novos patrões e pela primeira vez, desde 1888, não são britânicos. #Negócios