Numa grande reportagem, o "Diário Económico", na edição de hoje, concluiu que os emigrantes portugueses, que trabalharam toda a sua vida fora de Portugal, vêem-se obrigados a voltar a emigrar na sua reforma, por causa dos impostos tabelados no nosso país. Adelino Lopes voltou para passar a sua reforma no seu país mas os elevados impostos sobre o seu rendimento vindos de França, forçaram a que este voltasse a sair de Portugal. O português tem vindo a tentar angariar apoios na comunidade portuguesa em França, com o objectivo de apresentar uma proposta aos candidatos das legislativas. "Queremos que haja um estatuto fiscal do emigrante", anunciou Adelino.

O emigrante português de 63 anos, Adelino Lopes, não gostou da discrepância de impostos que se verifica em Portugal em relação a França e, por isso mesmo, decidiu voltar a deixar o seu país natal, tal como acontece a centenas de emigrantes nas mesmas situações. "É algo tão triste, o meu objectivo seria sempre passar a reforma em Portugal, mas por motivos fiscais fui obrigado a voltar a França. A minha reforma daria perfeitamente para viver tranquilamente em Portugal, mas com as elevadas taxas fiscais, não vale mesmo a pena", confessou Adelino ao "Diário Económico".

Para este emigrante, é necessário juntar as comunidades emigrantes e fazer uma proposta aos grupos políticos e parlamentares, com vista à criação de uma tabela fiscal especial para os emigrantes portugueses que pretendem regressar ao seu país natal e são confrontados com elevadas taxas de imposto. "Eu paguei em 2013, mais de 13 mil euros de IRS, quando em França pagaria apenas cerca de 3600 euros. Isto é algo completamente inaceitável", exemplificou Adelino Lopes, dando a entender a discrepância de impostos que se verificam actualmente nos dois países.

Apesar da reportagem do "Diário Economico" ter sido publicada hoje, as redes sociais já reagiram em massa, criticando na sua maioria severamente os emigrantes portugueses que pretendem ter benefícios fiscais, quando os trabalhadores portugueses são sujeitos a um nível altíssimo de tabelas tributárias. Adelino é vice-presidente de uma grande comunidade de portugueses em França, a Association Culturelle Portugaise Les Ulis-Orsay, pretendendo angariar os fundos e o apoio necessário para levar a bom porto a proposta de uma tabela fiscal especial para os emigrantes e chegar aos partidos políticos. #Emigração