Segundo informações da ONU, Portugal é o país da União Europeia com maior taxa de #Emigração, registando, em 2013, cerca de um quinto da população portuguesa emigrada. Estes números arrepiantes significam que grande parte dos jovens portugueses prefere emigrar a viver em condições precárias, levando a que haja uma enorme fuga de licenciados portugueses. Ora, segundo avança o Jornal de Notícias na edição de 17 de Julho, cada licenciado em Enfermagem custa em média 25 mil euros aos portugueses. O que significa que nos últimos seis anos, o Estado investiu 320 milhões de euros em formação de enfermeiros para que estes saiam pouco tempo depois do país.

Numa grande reportagem acerca da emigração dos jovens licenciados em enfermagem, o Jornal de Noticias fez uma grande entrevista ao Bastonário dos Enfermeiros, Germano Couto, fazendo as contas ao que a economia portuguesa sofre sempre um jovem formado abandona o país.

Publicidade
Publicidade

"Há falta de enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde, mas ninguém contrata, só se pensa no imediato", reitera Germano Couto.

"Todos os anos perdemos milhões de euros na formação destes jovens. Se cada licenciado em enfermagem custa em média 25 mil euros ao Estado e todos os anos abandonam o país cerca de três mil, significa que os portugueses neste departamento estão a perder 75 milhões de euros, só em jovens licenciados em enfermagem", concluiu o Bastonário da Ordem dos Enfermeiros, extremamente preocupado. Germano afirma que Inglaterra já deixou de investir nos seus próprios enfermeiros, esperando que os portugueses já venham formados e prontos para trabalhar ao serviço dos ingleses.

Num futuro muito próximo, o Bastonário da Ordem dos Enfermeiros declara que vamos ter uma enorme falta de enfermeiros, tendo a necessidade de importá-los, o que significará custos acrescidos para os portugueses, tal como aconteceu nos anos 90. Na conclusão da sua entrevista ao Jornal de Notícias, Germano Couto afirma que há uma quantidade enorme de médicos em relação a enfermeiros.

Publicidade

"Nos países do Norte da Europa a cada médico existem cinco enfermeiros. Contudo, em Portugal a cada médico, só existe um enfermeiro. Algo vai ter que mudar urgentemente", confessa.