A empresa Burger King apareceu hoje com uma proposta inédia: a criação de um McWhopper. A junção do Big Mac, da McDonald's, com o Whopper por apenas um dia pretende, segundo a cadeia de fast-food sediada em Miami, promover o Dia Internacional da Paz. Algumas horas depois da sugestão da Burger King, a McDonald's fez uso da sua página de facebook para responder a esta ação. Na resposta, Steve Easterbrook, CEO da empresa, não aceita o convite dizendo que "as duas marcas podem fazer algo maior para fazer a diferença", contudo admite que foi uma "grande ideia".

Foi no New York Times de hoje que a Burger King usou uma página inteira para escrever uma carta aberta: "Bom dia, McDonald's, viemos em paz.

Publicidade
Publicidade

Aliás, viemos em honra da paz", pode ler-se. No convite bem sério, os criadores do Whopper também quiseram fazê-lo de uma maneira bem humorada: "Nós sabemos que temos tido as nossas diferenças, mas o que é que nos dizem de um cessar-fogo nesta guerra dos hambúrgueres, como é chamada". A ideia seria "juntar as partes mais saborosas do vosso Big Mac e do nosso Whopper, unidos seria um hambúrguer delicioso e cheio de paz", afirmam. Para fazer todo o sentido, este super hambúrguer seria vendido no dia 21 de setembro, ou seja, no Dia Internacional da Paz, de forma a dar "um exemplo para o resto do mundo". O hambúrguer especial seria construído "com alguns membros da equipa do McDonald's" e iria estar à venda num restaurante pop-up (construído para o efeito) em Atlanta, pois fica "entre Miami (casa do Burger King) e Chicago (casa do McDonald's)".

Publicidade

Já com preço e embalagem conhecido, os lucros do McWhopper iriam reverter para a associação que promove a paz no mundo: a Peace One Day. Para quem não tem acesso aos jornais onde foi feita a proposta, a cadeia criou um site onde descreve toda a ação, promovendo ainda a hashtag #SettleTheBeef - um trocadilho com a palavra beef que em inglês significa, simultaneamente, carne e rusga.

Os fãs das marcas ficaram bastante entusiasmados com a ideia, e até Steve achou que era "uma boa causa", contudo não aceitou. Na resposta feita na página oficial da marca, o CEO diz que a McDonald's está "comprometida para aumentar a consciência global (no tema)" e convidou a juntarem-se a eles "para fazer um esforço global significativo". Não feliz, o empresário disse mesmo que "é sabido que entre nós (as duas cadeias de fast-food) há simplesmente uma competição amigável, nada comparada com a dor real da guerra". Há, porém, uma janela aberta para fazer uma parceria, pois a resposta termina com um "manteremos contacto".

Publicidade

Depois desta resposta negativa, os fãs usaram a caixa de comentários da McDonald's para mostrarem a sua insatisfação. "A Mc perdeu uma grande oportunidade aqui", é apenas um dos muitos comentários que já se podem ler no post. Há até quem não tenha gostado das palavras usadas: "Atenção, a Burger King não estava a tentar comparar a competição com uma guerra real", diz um dos internautas. E, claro, há sempre espaço para as piadas do costume: "Mais uma vez, a McDonald's estragou tudo, tal como fez com o meu pedido ontem à noite", lê-se. O post de resposta da McDonald's pode ser lido aqui:

#Negócios