O portal da Groupon, a empresa que vende descontos através da Internet, anunciou nesta terça-feira que vai cessar todas as operações no país por este já não ser rentável. Aliás, até se pode ler no site da empresa que “após uma cuidada análise do mercado português, decidimos encerrar definitivamente a atividade em Portugal a partir de 25 de janeiro de 2016. Lamentamos assim informar que não iremos oferecer-lhe novas propostas no futuro”.

A empresa enviou um email aos clientes em que refere que a decisão difícil de deixar de trabalhar em Portugal foi alvo de uma avaliação bastante ponderada. Indica que se avaliou a “presença a nível global, analisando os mercados onde o potencial de mercado e o investimento necessário se completam”. Apenas não existem condições para a plataforma de descontos ter lucros em Portugal.

Os clientes que já tenham adquirido um vale de desconto ainda podem utilizar o mesmo até à data de validade acordada com o parceiro ou, caso queiram receber o reembolso do mesmo, podem entrar em contacto com a empresa antes de 15 de março de 2016.

A Groupon também já saiu de alguns países europeus, como a Grécia, a Turquia, a Suécia, a Dinamarca, Noruega e Finlândia, assim como de outros países espalhados pelo globo. Para a empresa são países que estão a dar demasiados prejuízos e vai optar por concentrar-se em reforçar os mercados mais sólidos.

Durante os anos em que a multinacional esteve a funcionar em Portugal houve diversas queixas apresentadas por clientes à Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO). A maioria das queixas estavam relacionadas com:

  • publicidade enganosa;
  • com o que era anunciado e o que o cliente realmente recebia;
  • a total falta de entrega do produto;
  • problemas para ativar a garantia com o vendedor;

Nos últimos tempos a atitude dos consumidores destes vales de desconto tem sofrido alterações, pois já não consomem os "vouchers" de forma tão massiva e alguns clientes chegavam mesmo a informar-se primeiro com o vendedor antes de adquirirem o produto. A DECO deixa então o conselho para que todos aqueles que tenham um vale contatarem a empresa para serem reembolsados ou procurarem usufruir ainda do "voucher" dentro da sua validade. #Negócios