Esta quinta-feira, segundo vários meios de comunicação social, o Governo e parceiros sociais chegaram a um acordo que faz com que o #Salário mínimo nacional (SMN) suba para €557 já a partir de janeiro de 2017, ou seja, dentro de pouco mais de uma semana. O acordo, alcançado numa reunião de concertação social, aponta também para uma descida na Taxa Social Única (TSU) de 1,25 pontos percentuais. A TSU representa o valor que tanto empresas como trabalhadores descontam mensalmente para a Segurança Social.

Com a descida de 1,25 pontos percentuais, ficará a 22,5%, sendo que atualmente é de 23,75%. Esta medida vai ajudar entidades patronais que terão de pagar agora um salário mínimo de €557; um aumento significativo, tendo em conta que atualmente é de €530.

Publicidade
Publicidade

Os trabalhadores continuarão a descontar 11% dos seus rendimentos. A redução da TSU entrará em vigor apenas a partir de fevereiro.

Salário mínimo chegará aos €600 até 2019

O governo de António Costa comprometeu-se a alcançar um SMN de €600 até 2019, o que significa que os portugueses poderão contar com um aumento de mais €25 por mês, tendo já em conta o aumento a que todos terão direito a partir do mês que vem.

De acordo com informação adiantada pelo Público, o ministro do trabalho José Vieira da Silva, no final da reunião, afirmou que “Os 600 euros é um compromisso que o governo tem e que mantém”.

Todavia, alguns partidos, nomeadamente o PCP, o BE e Os Verdes, criticam a redução da TSU, pois afirmam que assim acaba por ser o Estado a financiar o aumento salarial dos portugueses.

Evolução do salário mínimo em Portugal

De acordo com dados da PORDATA, o SMN em Portugal tem vindo a crescer bastante, mesmo tendo em conta todas as dificuldades que se têm vindo a abater sobre o país recentemente.

Publicidade

Temos, no entanto, de ter em conta que a inflação também tem vindo a aumentar.

Em 2000, o salário mínimo era de apenas €318,2, sendo que em 2010 era já de €475. Agora, em 2017, o novo valor fixado para o salário mínimo constitui um aumento de 82 euros face ao valor de 2010. #António Costa #dinheiro