Após a reunião de hoje com o secretário de estado do Ensino Superior, José Ferreira Gomes, Bruno Matias revelou que os pontos discutidos foram a atribuição de bolsas e a nova fórmula de financiamento do Ensino Superior, mas que há necessidade de não se estar a perder tempo. Uma semana depois de tomar posse para o segundo mandato como presidente da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC), Bruno Matias fez parte do Movimento Associativo Nacional que se reuniu esta sexta-feira com José Ferreira Gomes. O estudante de Direito mostrou-se cautelosamente satisfeito com esta reunião com o secretário de estado do Ensino Superior, ao comentar existirem "dois pontos que, à partida, poderão ser positivos, que são a regulamentação da atribuição de bolsas e a nova fórmula de financiamento do Ensino Superior".

Para o presidente da DG/AAC, um dos destaques da reunião foi a criação da comissão de revisão do regulamento de atribuição de bolsas que, na próxima semana, vai anunciar o nome dos dois estudantes que vão fazer parte dos trabalhos previstos. O estudante de Direito avançou ainda que "o anúncio da nova fórmula de financiamento do Ensino Superior" terá lugar no dia 10 de fevereiro.

No entanto, Bruno Matias revelou estar algo cético em relação a estes avanços, ao dizer que "se for uma reforma efetiva, muito bem, mas se não for estamos aqui a perder tempo". O presidente da DG/AAC deixou ainda o aviso: "Não estamos aqui para mudar vírgulas ou pontos finais. Ou há uma reforma a sério ou não faz sentido existir reforma".

Outro dos pontos negativos da reunião foi o tema da regulamentação dos consórcios. Bruno Matias afirmou estar desiludido em relação a este assunto. "O #Governo deu a entender claramente que não vai regulamentar os consórcios porque não há um consenso entre as instituições". O presidente da DG/AAC acusou o executivo de falta de coragem em "quebrar com práticas do passado". Bruno Matias disse ainda que as instituições são conservadoras e por isso têm dificuldade em discutir "um tema tão fraturante na sociedade portuguesa", afirmando também que a não apresentação da regulamentação "fica para história como um ponto extremamente negativo deste governo". Segundo o presidente da DG/AAC, os "próximos 15 dias" vão ser fulcrais para o futuro do ensino superior em Portugal. #Educação