O Conselho Nacional da #Educação ambiciona criar projecto inovador para revitalizar alunos que estão retidos nas escolas e torná-los úteis para a sociedade. David Justino, presidente do CNE, afirmou nesta segunda-feira à tarde em conferência de imprensa "que o problema dos chumbos é dos mais graves no actual sistema educativo português, e é necessário que os partidos políticos se envolvam e discutam soluções para este caos que tem base em problema socioeconómicos e sociais".

"Temos vindo a verificar que há cada vez mais chumbos. Este problema provoca posteriormente outros, como insucesso profissional, desmotivação e, em alguns casos, a entrada em mundos menos próprios como a droga, por exemplo. Temos de ajudar estes jovens de forma a tornarem-se úteis à nossa sociedade", continua o líder do Conselho Nacional da Educação.

Na mesma conferência de imprensa, o CNE apresentou ainda a sua recomendação ao Governo relativamente à elevada retenção de alunos no ensino básico e secundário. David Justino aludiu à carência política que este problema tem tido nos últimos anos, e que deve estar contida na agenda dos vários partidos com assento na Assembleia da República, com o objectivo de reduzir os números - 160 mil alunos encontram-se nesta situação.

"Para esta medida vamos precisar de meios humanos, em particular professores especialistas em recuperar alunos. Naturalmente que precisam ainda de alguma formação nesse sentido, mas conhecemos alguns que estão devidamente preparados para o efeito. Igualmente iremos precisar de algum investimento para colhermos frutos no futuro, porque para praticar esta nossa recomendação é preciso tempo", disse David Justino. O CNE recomendou ainda que são necessárias "melhores condições nas escolas para haver boas condições para aprender", dado que este tipo de professor não pode ser solicitado para acções de cariz administrativo, pois considera ser "tempo que se perde de forma desnecessária".

David Justino adverte porém que não quer que haja "facilitismos", até porque "a exigência até deve aumentar em muitas escolas". "É necessária coerência a tratar este tipo de casos, porque estamos também a tratar do futuro do nosso país e da sociedade que queremos ter no futuro", pode ler-se nas recomendações do Conselho Nacional.

Desta forma, o CNE pretende diminuir nos próximos tempos o insucesso académico e os "pesos mortos" nas escolas do país, ao mesmo tempo que qualifica com conhecimentos e práticas úteis para a obtenção de sucesso profissional. Referir ainda que o programa internacional de avaliação de alunos (PISA) realizado em 2009 serviu de base ao plano de recomendações elaborado pelo CNE. O PISA feito em 2009 mostra que os chumbos mais elevados são em Portugal, Bélgica, França, Luxemburgo e Espanha. Cada país tem cerca de 40% dos alunos com menos de 16 anos a terem dois ou mais anos repetidos. A realidade é ainda mais negra quando comparados os números da média da OCDE, que rondam os 14%.