A Finlândia é um dos países mais avançados do mundo área do ensino (de acordo com os rankings PISA, as áreas da matemática, das línguas e da ciência são as mais bem sucedidas no país). Apenas Singapura e a China ultrapassam a eficiência dos nórdicos. A Finlândia prepara-se para uma nova reforma no ensino, e o mundo está de "olhos postos" nos próximos acontecimentos. Tida como a medida de ensino mais surpreendente de todos os tempos, os finlandeses estão a substituir gradualmente o ensino de temas individualizados por matéria generalizadas. Em Helsínquia, já se fazem as primeiras experiências de uma medida que pretende chegar a todo o país em 2020. Nas turmas mais velhas, já desapareceram disciplinas como Física e a Literatura Inglesa. As línguas, a geografia, e a história, já são abordadas por itens na categoria de "União Europeia".

Todos os assuntos passam a estar relacionados, e o interesse por parte do aluno vai aumentar porque vai compreender que terá benefícios práticos. Os tempos de uma hora por dia dedicada a cada disciplina estão a chegar ao fim. Pasi Silander, um dos autores deste projeto, referiu ao jornal The Independent o seguinte: "Aquilo de que precisamos agora é de um tipo de #Educação diferente que prepare as pessoas para o mercado de trabalho".

Cerca de 70% dos professores das escolas básicas da capital finlandesa já foram formados para os novos parâmetros de ensino, porém, são vários os professores, que mostram desagrado com a nova política, uma vez que ao longo da sua carreira sempre se dedicaram a ensinar uma disciplina específica. Com o novo sistema escolar vai existir mais cooperação, todos vão trabalhar em conjunto para a elaboração da estrutura curricular. Existem já garantias de que os professores que aderiram à iniciativa vão ter extras salariais.

Informações sobre o ensino

O analfabetismo é praticamente inexistente na Finlândia, ronda os 0%. A escolaridade obrigatória começa aos 7 anos, e termina, se tudo correr bem, aos 16 anos. Os alunos têm direito a refeições gratuitas no ensino primário e secundário. O ensino secundário é composto por típicas escolas secundárias (que duram 3 anos, existindo um exame final) e as escolas profissionais (também de três anos. apostam especialmente num ensino de uma profissão). Mais de metade da população com mais de 15 anos (56%) concluiu o secundário.

É ensinado o finlandês e o sueco, as duas línguas oficiais do país, e ainda dois idiomas estrangeiros. A cozinha, a carpintaria, a serralharia, a costura, e as artes, são outras vertentes inseridas no plano de estudo. Atualmente existem 33 Universidades e 20 politécnicos, sendo que até 1900 apenas existia um único edifício de ensino superior em todo o país.