A Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) denunciou nesta quinta-feira, em Braga, que teve recentemente conhecimento de que as bolsas de estudo aprovadas após o dia 12 de fevereiro ainda não foram pagas pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) aos estudantes que viram a sua candidatura ser deferida. O presidente da AAUM pediu a Passos Coelho para cumprir promessa feita nesse sentido. "Estes estudantes bolseiros são comprovadamente carenciados e por algum motivo viram o seu processo atrasar; muitos ainda não receberam até ao momento qualquer prestação de bolsa, passando por grandes dificuldades", denuncia Carlos Videira, presidente da direção da AAUM. Segundo o mesmo dirigente estudantil, também foram suspensos os pagamentos de bolsas de estudo de processos que estavam em reanálise ou em revisão através do processo simplificado.

"Muitos estudantes têm contactado a DGES e a resposta tem sido recursivamente a mesma, ou seja, as verbas não foram suficientes para pagar a todos os estudantes, e não há data prevista para pagamentos", indicou o líder da AAUM.

Segundo foi possível apurar, a situação, só na Universidade do Minho, afeta centenas de alunos, facto este que, segundo Carlos Videira, "prejudica e tem criado graves problemas aos estudantes". "Porque é de todo impossível ter um cheque no bolso, que é a sua bolsa de estudo, e este não ter valor bancário, porque não o pagam", critica.

Esta não é a primeira vez neste ano letivo que o problema bate às portas da DGES. Depois do bloqueio da plataforma de gestão do processo das bolsas de estudo, que durou semanas e que ainda não teve resolução definitiva, existem ainda milhares de documentos inválidos na plataforma de bolsas de estudo.

"Esta situação levou ao atraso da análise de milhares de processos de bolsas de estudo a nível nacional. O Estado, através da DGES, falta aos compromissos que tem perante estudantes carenciados", apontou Carlos Videira.

A Associação Académica da Universidade do Minho condenou, veementemente, esta situação e recorda o compromisso assumido pelo Primeiro-ministro, Passos Coelho, no passado dia 24 de março, em Braga. #Educação #Governo