Prevê-se que seja já a partir de Setembro deste ano, no início de um novo ano lectivo, que o mandarim, língua oficial da China, vá chegar a mais escolas portuguesas. De acordo com as últimas informações, o Governo português, através do Ministério da #Educação, e o Instituto Chinês estão em negociações para que tal intenção venha a concretizar-se. Esperam-se conseguir formar 20 novas turmas com capacidade para 500 novos estudantes.

A notícia avançada hoje pela imprensa portuguesa dá conta de que o ministro Nuno Crato mantém-se em negociações com o Instituto Hanban, o equivalente ao Instituto Camões em Portugal, para que o idioma oficial da China seja uma disciplina integrante do programa curricular português, especialmente a partir do secundário. Assim, é esperada que esta língua seja de carácter obrigatório para os alunos, que a partir do 10.º ano façam parte da área de Humanidades, enquanto para os outros será meramente opcional.

Com estas negociações, o ministro Nuno Crato pretende ainda levar a bom porto este projecto-piloto que visa aumentar o número de turmas que para o ano lectivo de 2015/2016 possam ter acesso à aprendizagem do mandarim. Assim mesmo, espera-se conseguir formar 20 novas turmas com capacidade para 500 novos estudantes.

Porém, este novo projecto levanta algumas questões que estão a dificultar um pouco a sua concretização, nomeadamente a falta de professores, uma vez que alguns professores chineses não sabem falar português. Contudo, de acordo com fontes portuguesas, esses mesmos professores estão já a estudar o português.

Em Portugal, o mandarim está já implementado desde 2013, sendo leccionado no agrupamento de escolas de São João da Madeira aos alunos do 3.º, 4.º e 5.º anos, um total de 750 alunos. Também no ensino privado este idioma começa a surgir cada vez mais, sendo que no Colégio São Tomás em Lisboa é também frequentado por 73 alunos do 5.º ao 8.º ano, com excepção para o 6.º ano.

Para se perceber a importância do mandarim no mundo saiba que esta língua é já um dos requisitos obrigatórios para ser contratado profissionalmente por algumas empresas estrangeiras.