Para os alunos do 11.º e 12.º anos, a primeira fase dos exames começou esta segunda-feira, dia 15, com a prova de Filosofia e irá terminar a 25 de junho com a de Geometria Descritiva e Literatura Portuguesa. Cerca de 100 mil alunos do 9.º ano tiveram também o exame de Português e dia 19 realizar-se-á o de Matemática. Os resultados dos exames nacionais do Básico e Secundário serão conhecidos em Julho e irão ter um peso de 30% na avaliação final de cada disciplina. Este ano, pela primeira vez, será obrigatório o uso do novo acordo ortográfico.

A época dos exames começou nesta segunda-feira, pelas 9h30, com o exame de Filosofia para os alunos do 11.º ano, prova para o qual estão inscritos mais de 14 000 alunos. Os exames da primeira fase prolongam-se até dia 25 de Junho, havendo 22 disciplinas sujeitas a avaliação externa.

Os alunos do 9.º ano de escolaridade só terão as provas de Português e Matemática, que se realizarão em 1270 escolas. Os alunos poderão repetir os exames numa segunda fase, que decorrerá em Julho, caso tenham pouco aproveitamento ou queiram melhorar a sua avaliação.

A grande novidade este ano prende-se com a obrigatoriedade da utilização do novo acordo ortográfico nas Provas de Português, sob pena de descontos na nota. Nos anos anteriores os alunos poderiam escolher entre a grafia estabelecida de 1945 e a do novo acordo ortográfico, pois ambas eram consideradas válidas.

Este ano a antiga grafia passa a ser erro ortográfico e, segundo os professores, a penalização pode ir até 5 valores, o que preocupa os alunos envolvidos. Porém, o Instituto de Avaliação Educativa, responsável pela elaboração dos exames nacionais e respectivos critérios de correção, afirma que os descontos na nota devido ao uso da antiga grafia só poderão ser de 0,6 valores.

Nesta época de avaliação são várias as operações logísticas que se realizam de forma a garantir a maior proteção e sigilo possível. As provas de avaliação são entregues diariamente nas escolas por indivíduos das forças de segurança e a vigilância dos exames envolve mais de 12 000 professores. Estão também mobilizados outros tantos no processo de classificação das provas. #Educação #Ensino