Eram 00h01 desta madrugada de domingo, 6 de Setembro, quando foram conhecidas as colocações de 2015 no acesso à universidade. Eram 50.555 vagas disponíveis nesta primeira fase; sendo que o número de candidatos ascendia a mais de 48 mil, existem apenas 8.714 lugares para a próxima fase, quase todas disponíveis em politécnicos. Este foi o maior aumento no acesso à universidade desde 2011. Descubra os cursos a que ainda pode concorrer.

Desde 2011 que não se verificava um acesso à universidade tão grande como o deste ano. As áreas da saúde, engenharias e ciências empresariais foram aquelas em que houve uma maior procura, com mais de sete mil alunos a entrarem em cada uma delas. Escreve o Observador que estas três áreas foram as que registaram quase metade do total das vagas. Por outro lado, foram 48 as licenciaturas que não contaram com nenhum aluno inscrito.

O Porto e Lisboa, que foram dos locais do país mais procurados pelos novos estudantes, foram também as cidades onde se registaram as médias mais altas a nível do país. O curso de Medicina da Universidade do Porto contou com um último colocado com a média de 186,7 (numa escala de 0 a 200), seguindo-se o Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa no curso de Engenharia Aeroespacial, cuja licenciatura já não dispõe de vagas. Porém, houve 32 cursos em que os alunos entraram com valores inferiores a 10.

Nesta primeira fase há também quem já tenha todas as vagas ocupadas, nomeadamente o ISCTE. Segundo escreve o Jornal de Notícias, citando o comunicado emitido pela instituição, o reitor da mesma acredita que estes valores se devem “aos altos níveis de empregabilidade de licenciados do ISCTE”.

Contudo, para aqueles que ainda não conseguiram entrar, o concurso recomeça amanhã, dia 7 de Setembro e decorre até 18, para a sua segunda fase, havendo ainda 7.070 lugares disponíveis em politécnicos e 1.644 em universidades, sobretudo nas áreas de engenharias e ciências empresariais. Em Outubro tem lugar a terceira fase do concurso. #Jovens #Ensino