Os psicólogos podem ajudar os pais na #Educação dos seus filhos através de um jogo denominado "jogo psicológico". Muitas vezes a alteração de certos hábitos educacionais pode ajudar a mudar determinados comportamentos nas crianças, revela o site Notícias ao Minuto.

A técnica da escolha forçada, defendida pela especialista Linda Blair numa entrevista ao Telegraph, refere que os progenitores devem dar a possibilidade de escolha aos filhos, no entanto sem fuga possível ao que tem para fazer. Por exemplo: "Preferes começar por ler o texto de português ou fazer as contas de matemática?" e "Queres arrumar o teu quarto ou lavar a louça?" reforçam a possibilidade de escolha das crianças, mesmo que essa escolha acarrete a execução da atividade posteriormente. 

A técnica instruções positivas, defendida pelo psicólogo com mais de 25 anos de carreira em educação parental, Steve Biddulph, ensina que em vez de dizer "não corras na estrada", deve instruir dizendo "é mais seguro correr no passeio do que correr na estrada". Assim, a psicologia é naturalmente introduzida na educação dos filhos. O sentido de responsabilidade é facilmente ensinado quando o assunto é a tecnologia, ou seja, "Depois de teres arrumado o teu quarto podes usar o tablet". 

Quando as crianças se preparam para os testes ou exames os progenitores devem concentrar-se nos assuntos que mais preocupam as crianças e que no momento do teste pode fazer com que a criança bloqueie. O especialista Von Lob refere que não é necessário que os pais percebam toda a matéria. A criança pode sentir-se mais confiante quando alguém está presente com ela na hora de estudar.  

As crianças gostam que os pais as levem a sério. Pode parecer contraditório, mas as crianças gostam de ser tratadas como adultos, exceto na altura dos presentes. Por isso, os progenitores devem mostrar interesse naquilo que os mais novos dizem e fazem. 

A próxima sugestão dada pelos especialistas é não subestimar o filho. Os pais devem incentivar os seus filhos a melhorar e devem incentivá-los utilizando como complemento os elogios. Porém, de acordo com Linda Blair nem todos os elogios são indicados, ou seja, não é a nota que o filho teve no teste que deve ser elogiada, mas o tempo e o esforço investido na hora do estudo. 

O último conselho é os progenitores verem as crianças como crianças sem que elas sejam uma cópia daquilo que os pais não foram. #Jogos