Eurostat divulgou hoje, dia 15, dados estatísticos que revelam que Portugal é o país da União Europeia no qual o emprego cresceu mais significativamente durante o segundo trimestre deste ano. O crescimento registado durante o segundo trimestre foi de 1,3%. No que toca a todo o continente Europeu, a taxa de emprego em 2015 cresceu em cerca de 0,2% no caso da União Europeia e 0,3% no caso da Zona #Euro.

Este é mais um registo positivo para Portugal que se destaca nesta contagem por ser o país com um maior registo de crescimento dos valores referentes a emprego. Em segundo lugar nesta contagem ficou a Grécia com 1,2% e na terceira posição ficaram a Espanha e a Irlanda, ambas com um crescimento de 0,9%.

De acordo com o Dinheiro Vivo, os dados divulgados neste ano revelam um panorama diferente do que foi registado no ano passado. No caso português, observa-se que o número de pessoas empregadas subiu em cerca de 1,9%. No ano passado a subida foi de 1,4% o que revela um maior aumento de empregabilidade. 

Contando com Portugal, Grécia, Espanha e Irlanda, ao todo foram nove países da União Europeia que registaram um crescimento significativo de emprego em termos homólogos. No entanto, em países como a Finlândia e a Roménia houve um registo de uma destruição de postos de trabalho (0,7% referentes à Finlândia e 1,6% referentes à Roménia).

Eurostat ainda salientou um outro aspeto relativamente a quatro países da União Europeia. A Bulgária, a Finlândia, a Lituânia e o Reino Unido destacam-se pelo facto de o número de pessoas empregadas durante o segundo trimestre de 2015 ser mais reduzido do que no primeiro trimestre.

No caso da Zona Euro e da União Europeia, o registo é, no geral, positivo. Relativamente à Zona Euro, o crescimento homólogo foi de 0,8% e na União Europeia foi de 0,9%. O Dinheiro Vivo salienta ainda que no fim do segundo trimestre registam-se cerca de 22,8 milhões de pessoas no #Desemprego. Desses 22,8 milhões, 151 milhões são cidadãos pertencentes a países nos quais a moeda utilizada é o euro.