Após a vinda de Jesus passaram-se 2014 anos. A sua passagem marcou/separou eras, antes de Jesus e depois de Jesus. Sobre a sua vinda, sobre a necessidade da sua vinda ou ainda a necessidade de voltar, pouco se fala mas muito se escreve sobre Jesus. Não pela verdadeira razão da sua vinda mas para "saciar" algumas investigações interessantes ou preocupantes, tais como:

Jesus foi casado com Maria Madalena? Jesus teve filhos? Jesus teve irmãos? José não era pai de Jesus? Maria era virgem? Enfim alimentam-se factos sem importância, escondendo a verdadeira razão da sua existência. Deus, ser superior, achou por bem dar ao mundo um exemplo de vida: Jesus.

Publicidade
Publicidade

Por isso, houve necessidade de o tornar semelhante ao homem. Deus escolheu aquela altura, escolheu aquela região e escolheu aquele povo. O povo judeu era o povo perseguido e confundiu a vinda de Jesus com a ambição de receberem um Messias, um Rei, libertando-se do jugo Romano. Em toda a #História os judeus foram um povo diferente, pelas suas lutas e perseguições mas também pela sua tenacidade e inteligência.

Não sabemos se Deus terá escolhido anteriormente outros seres como Jesus para obrigar outros povos, noutras regiões, para também eles receberem ensinamentos e correções. Jesus sofreu, Jesus ensinou, os homens viram, criaram a sua Igreja, mas o que restou do exemplo de Jesus? Pouco. O mundo prefere a intriga o ódio, a vingança, a exploração, enfim novas formas de perseguição/escravatura.

Publicidade

Viver subjugado a monopólios de produção e distribuição alimentar, viver subjugado a monopólios de distribuição de energia, viver subjugado a monopólios de telecomunicações, isto não são novos modelos de escravatura? Zaqueu, convertido por Jesus, cobrava impostos sem critério. Hoje os impostos são justos e têm critério?

Deus ensinou os homens a levar as suas oferendas ao Templo para o sacrifício por forma a obterem pureza e perdão dos seus pecados. O que aconteceu? Comércio de animais, sacrifício inusitado e aproveitamento miserável dos sacerdotes para se saciarem com essas oferendas. Deus disse: Basta! Mesmo os escolhidos de Jesus tiveram as suas divergências, seu irmão Tiago, o mais querido, considerado por todos como o Justo, não era entendido. Pedro queria impor a sua autoridade, posteriormente Paulo (Saul) apesar de não ter sido escolhido, considerou-se o maior… Na hora da morte, choraram, fugiram, quantos deram a sua vida por ele? Quantos estiveram ao lado dele no momento do julgamento? Onde estavam os beneficiados dos seus milagres?

Deus fez um teste, deu o seu filho para que o mundo o visse e seguisse o seu exemplo.

Publicidade

Passaram 2014 anos. Assistimos a novas formas de subserviência, poder económico sem escrúpulos. Donde partem hoje homens ricos e poderosos? De sociedades como a russa ou chinesa denominando-se socialistas e até comunistas. O povo aprendeu a amealhar os seus talentos depositando-os em sistemas económicos organizados, recebendo em troca agiotas sem escrúpulos e oportunistas sem coração. Se Deus existe dirá: Basta!

A Europa criou um modelo social, quase perfeito, a América criou um modelo económico quase perfeito, o médio oriente detém reservas energéticas em abundância. O que acontece: O social europeu está a implodir, o económico americano vive de escândalos e as reservas do médio oriente alimentam guerras. Dirá Deus: Será que ao mandar um novo Jesus ao mundo eles aprendem, eles o seguirão?

A elitização das religiões, o fanatismo, o fundamentalismo, rituais despropositados, aproveitamento de seitas, aparecimento de falsos messias que se dizem detentores de poderes mágicos, o medo, o pânico, qual o futuro desta sociedade? Temos tudo: inteligência, conhecimento, meios, até temos Deus. Então o que nos falta para sermos um mundo perfeito? Divertimo-nos a explorar se realmente Jesus era um ser humano normal, com família de carne e osso, com amigos, virtudes e defeitos, parece-me que um dia virá a investigação sobre os erros ou defeitos de Jesus.