#Moda passageira, loucura ou manifestação feminista. São várias as descrições possíveis para o fenómeno que está a invadir as redes sociais. Colorir os pelos das axilas está a ganhar adeptas que optam por combinar a cor das axilas com a cor do cabelo. Azul, cor-de-rosa, verde ou vermelho? Qual a cor que querem nas vossas axilas? As fotografias das axilas peludas e coloridas estão espalhadas pelas redes sociais, fazendo uma pesquisa pela etiqueta #dyepits (algo como "Axilas coloridas"), podemos encontrar várias adeptas desta tendência um pouco por todo o mundo. Uma das profissionais que aderiu à moda foi a cabeleireira Roxie Hunt, que trabalha num conceituado cabeleireiro em Seattle e pintou de azul os pelos das axilas de uma amiga.

Publicidade
Publicidade

O resultado pode ser visto no seu blogue Offbeat Home & Life, onde publicou o passo-a-passo do processo e que já foi partilhado mais de 33 mil vezes.

Moda ou Protesto?

Uns dizem que é apenas mais uma moda, outros consideram que é uma loucura, algo abominável. Numa rápida análise no feed do Facebook é fácil encontrar críticas negativas a esta prática. "É por isto que os extraterrestres não querem nada com os humanos nem nos vêm visitar" escreveu alguém. Para muitos, porém, o acto de não se depilar é entendido como uma luta contra o machismo e os estereótipos a que a mulher está sujeita hoje em dia. Defendem que a depilação é um acto de tortura, que as mulheres se sujeitam a uma série de procedimentos desagradáveis, mas obrigatórios para serem aceites socialmente e querem lutar contra isso.

Publicidade

A depilação é um fenómeno milenar - pelo menos no sexo feminino - porém a depilação das axilas é, no máximo, um fenómeno centenário. Apenas no século passado, quando as mulheres começaram a usar camisolas sem mangas é que surgiu este "problema". Foi nessa altura que uma marca de lâminas de barbear classificou a existência de pelo como uma coisa suja e masculina, numa campanha para aumentar as vendas e alcançar o maior lucro. Era uma ideia meramente comercial, mas que se instalou até aos dias de hoje, tornando-se a depilação um ritual quase obrigatório nas mulheres e cada vez mais presente no sexo masculino.