Como sabemos a União Europeia é feita de conquistas, unidade, direitos e oportunidades.

Mas o que eu mais prezo e quero associar á Europa são os direitos. Quero abordar em primeiro lugar os direitos individuais de cada cidadão, que apesar de serem respeitados dentro da U.E, têm sido postos na "gaveta" em detrimento da economia e das finanças. Se pensarmos filosoficamente no nosso papel na sociedade actual, descobrimos que somos um "número", somos identificados pelo número de cidadão, se ficarmos desempregados, pertencemos a uma estatística abstracta que não reflecte a problemática em si, mas sim "números". Para além disso, o cidadão já não é olhado com o respeito que merece enquanto obreiro e construtor do projecto Europeu, visto que os burocratas de Bruxelas, fazem os seus estudos, fechados nos seus gabinetes e decidem quanto ás políticas europeias, sem nunca olharem para os europeus.

Publicidade
Publicidade

Gostaria também de falar sobre a questão dos regimes laborais em que na minha opinião estamos a ter retrocessos em vez de progressos, visto que a desregulação generalizada por toda a Europa está a subjugar o cidadão, e eu não sei sinceramente que factor positivo esta política pode trazer de melhor para os cidadão europeus, porque se repararmos, a taxa de desemprego está a aumentar cada vez mais por toda a U.E e os únicos que lucram são os donos/accionistas das grandes empresas!

Os direitos são muito importantes, porque representam a ambição e os sonhos da classe média e das classes mais baixas em obterem uma vida melhor e ao destruirmos desenfreadamente os direitos comuns, ao desregularmos os mercados e ao seguirmos uma linha que não vai de encontro com o pensamento dos cidadãos, estamos a criar sociedades "cinzentas", tristes e isto é muito perigoso para a União Europeia, porque cada vez há mais pessoas com a ideia que a U.E não serve para nada e que apenas prejudica e censura os direitos dos cidadãos.

Publicidade

As eleições estão para breve e aí vamos ver que estas políticas seguidas erradamente, vão ser castigadas não com resultados a nível de votação dos maiores partidos, mas com uma abstenção histórica!