A história da U.E é feita de conquistas. O nascimento da União é uma conquista, a integração dos países no pós-guerra é também uma conquista, a integração dos países mais pobres e a ajuda na consolidação da democracia no continente é obviamente mais uma das conquistas do projecto europeu.

Todos os feitos e méritos da União são reconhecidos e trouxeram de novo o sentido de humanidade ao continente. Este sentimento motiva todos os cidadãos a aprofundar cada vez mais o espírito europeu e a tentativa de evolução, para não cairmos numa "estagnação" política, filosófica e social.

Na minha opinião a união não é feita de um só paradigma principal, de um só objectivo ou de um só feito.

Publicidade
Publicidade

Há toda uma panóplia de ambições que na minha opinião trouxeram a Europa para o centro do mundo, nas questões mais importantes, ou seja, as questões mais relacionadas com o ser humano, o interesse em melhorar as condições da vida dos cidadãos, as suas relações laborais, o ensino de qualidade, o acesso á saúde para todos e o facto de não haver fronteira entre países. Tudo isto tornou o continente mais próximo e reforçou a união entre países bastante distintos.

O parlamento europeu é na minha opinião outro feito, visto que é uma "casa" democrática que reúne políticos eleitos por cidadãos de todos os países onde discutem um futuro em comum, na tentativa de trazer o progresso e beneficiar os europeus de uma democracia plena!

Todas estas conquistas nos dias de hoje têm que ser reforçadas, visto que com estas políticas económicas actuais há o risco de uma "morte lenta" e dolorosa para este sistema, que até á pouco funcionou muito bem!

Com a crise noto que os cidadãos dos países mais pobres ou países intervencionados, tornaram-se insignificantes em termos europeus, havendo uma clara polarização da política em torno dos interesses dos mercados financeiros e da Alemanha.

Publicidade

Há futuro para esta europa e os feitos europeus apesar de tudo devem ser realçados, mas eu próprio admito (porque vivo num país intervencionado) que há um crescente aumento de cépticos em relação á União Europeia.

Será correcto estragar um projecto com tanto sentido de solidariedade em detrimento de uma Europa que apenas se baseia nas finanças e na economia?