Resultados dos ensaios clínicos, financiados pelo Programa-Quadro de Investigação e Inovação 2020 da União Europeia, revelados pelo Instituto Nacional Francês de Saúde e Investigação Médica (INSERM), abrem portas para o primeiro tratamento ao vírus do Ébola. O avanço, neste campo, possibilita um conjunto de oportunidades para o tratamento da doença em estados mais avançados para os quais contribuíram as entidades envolvidas no processo, desde ONG´s a entidades governamentais, europeias e médicas.

Estas leituras sobre os dados preliminares, segundo os próprios, baseiam-se numa amostra limitada de doentes. "Nós temos evidências preliminares que a droga favipiravir pode ser eficaz", afirmou o Comissário, responsável na área da investigação, ciência e inovação, Carlos Moedas.

Publicidade
Publicidade

Os dados indicam que os afetados por este flagelo só procuram por auxílio ao quinto dia num estado avançado de contaminação pelo vírus. O efeito do surto motiva a UE e os Países africanos a desenvolverem estudos em doenças relacionadas com a pobreza (Malária, HIV/SIDA e tuberculose).

A União Europeia tinha investido cerca de 215 milhões de euros, em oito projetos, para a obtenção de vacinas e testes rápidos de diagnóstico no combate ao surto do Ébola na Guiné, Libéria e Serra Leoa. Estes locais apresentam um registo de elevado número de mortos e infectados decorrente desta doença, no entanto os casos tem diminuído. Anteriormente, e referindo-se a este mesmo assunto, o Comissário Carlos Moedas disse que ainda não dispunham da vacina, algo que neste momento, a confirmar-se pelos resultados do Instituto, altera o rumo dos acontecimentos.

Publicidade

O efeito da investigação, levada a cabo pelos pesquisadores do trabalho, "tem de ser confirmado" com um número superior de pacientes, anunciou Yves Levy, presidente e CEO do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica francês. Esta doença está catalogada, por assim dizer, como grave e com um elevado índice de mortalidade, podendo mesmo "chegar a 90% dos casos" e não teria cura conhecida até esta altura. #Ébola