A política energética europeia catapultou os cidadãos para o centro com a possibilidade de acesso a uma escolha adequada às suas necessidades. O plano de ação, destinado a todos os consumidores, sem exceção, apontou para um "aumento da escolha", para "preços acessíveis e concorrenciais", além de uma "energia mais segura e sustentável" nos dias que correm. Estas medidas deveram-se ao fato de a União Europeia, por si só, comparativamente com outras regiões do mundo, ser o "maior importador de energia", com custos anuais elevados para a sua manutenção, na ordem dos 400.000 milhões de euros. A procura por uma sociedade igualitária levou a alteração do quadro-estratégico.

Publicidade
Publicidade

"A Europa deve agir unida e de forma durável" defendeu Jean-Claud Juncker, Presidente da Comissão Europeia. Este representante, que tem estado atento às constantes instabilidades vividas em determinadas regiões da Europa, referiu que muito estará em jogo na atualidade. Não foram referidos nomes de países, mas não será muito difícil de entender-se a quem, ou a quais, se referiria. Em causa, segundo o próprio, estaria um receio de os cidadãos europeus "não terem energia para aquecer as suas casas".

O ponto de partida apontou para uma intenção da UE em reduzir dependência a terceiros, no contexto de fornecimentos, minimizando as perturbações, e apoiando-se na transparência de energia ou gás a estados-membros. Depois do livre-trânsito das pessoas, com a abertura das fronteiras, surgiu a ideia de livre circulação de energia, bem como a reformulação do mercado, os seus reguladores e ações judiciais.

Publicidade

A constante procura do consumidor por serviços sustentáveis provocará uma competição igual no mundo energético.

"O projeto irá integrar os 28 mercados europeus numa única União da Energia", afirmou o vice-presidente Maros Sefcovic. Estas mudanças, segundo indicado no comunicado da UE, possibilitariam uma poupança de cerca de 40.000 milhões de euros por ano aos consumidores. O apontamento foi para um possível investimento até 2030, com uma redução em 40% das emissões de gases, com olho no aumento das energias renováveis, em 27%, e melhores valores energéticos. #Inovação