Já há fumo branco para a Grécia. Após mais de 17 horas de negociações, em Bruxelas, que começaram no domingo e foram retomadas esta segunda feira, dia 13, o governo de Alexis Tsipras e os chefes de Estado da Zona #Euro chegaram a acordo para iniciar o terceiro resgate ao país, que evita a saída da moeda única. O entendimento passa por um empréstimo urgente e pela recapitalização da banca e por mais medidas de austeridade que o executivo helénico se compromete a aplicar.

"Acordo": foi com uma única palavra, escrita na rede social Twitter, que o primeiro-ministro belga, Charles Michel, anunciou que os líderes europeus tinham chegado a um entendimento quanto à situação financeira da Grécia.

Publicidade
Publicidade

Pouco depois, Alexis Tsipras comentava o desfecho das negociações: "Foi uma batalha difícil e agora temos de encarar as decisões difíceis". E apesar das medidas de austeridade que vai ter de impor aos gregos, o primeiro-ministro considerou que conseguiu "evitar os planos mais extremos dos círculos europeus mais conservadores". O líder do governo helénico anunciou também que conseguiu uma reestruturação da dívida. "A Grécia vai continuar a lutar para conseguir regressar ao crescimento", concluiu Tsipras.

O acordo entre a Grécia e os restantes líderes da Zona Euro vai implicar mais medidas de austeridade. O governo grego vai fazer uma reforma dos escalões do IVA e tem também de efetuar cortes nas pensões e proceder a alterações na legislação laboral. Falando para o povo grego, Tsipras já anunciou que quem ainda não foi chamado a pagar a crise, vai fazê-lo agora e que vai também fazer reformas para pôr fim às oligarquias locais.

Publicidade

O executivo grego tem agora até quarta feira para proceder às necessárias alterações legislativas para provar aos parceiros europeus que vai pôr em prática as medidas acordadas. Sem este entendimento, a Grécia tornava-se o primeiro país a abandonar a Zona Euro.

A chanceler alemã, Angela Merkel, já reagiu ao entendimento, afirmando que "a confiança tem de ser reconstruída e as autoridades gregas têm de assumir as responsabilidades pelo que acordaram". François Hollande, presidente francês, sublinhou que vai haver uma reestruturação da dívida grega, com a extensão das maturidades dos empréstimos. Entretanto, as bolsas já reagiram ao anúncio do acordo e negoceiam em alta. #Política Internacional