O ex-ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, está a ser criticado pelo seu estilo de vida. Em causa estão as acusações lançadas por um semanário grego de que o político esteja a utilizar o seu antigo cargo de governante para enriquecer. Estas suspeitas surgiram depois de se saber que Varoufakis estaria a cobrar mais de 50 mil euros por uma conferência fora da Europa. Para além destes valores, o antigo ministro exige ainda viajar sempre na classe executiva.

Durante seis meses Yanis Varoufakis foi Ministro das Finanças, porém a incompatibilidade com o Primeiro-ministro, Alexis Tsipras, levou a que o economista deixasse o executivo.

Publicidade
Publicidade

Desde então Varoufakis tem sido presença habitual em várias palestras que vão acontecendo dentro ou fora da Europa. De acordo com os valores agora conhecidos, o antigo ministro cobra 50 mil euros por uma palestra fora do continente europeu; por outro lado, na Europa esse montante é de apenas 4.500 euros. Se o assunto for uma aula lecionada nas universidades europeias o montante chega aos 1.400 euros. A isto soma-se ainda a exigência do antigo ministro de só viajar em classe executiva.

O semanário grego Proto Thema avançou com a notícia depois de ter tido acesso aos valores enviados por email pela London Speaker Bureau, agência que representa o antigo ministro. O jornal helénico diz que “o homem que contribuiu para a catástrofe da economia grega ao obstruir as conversações com os credores internacionais e que levou o país a introduzir controlo de capitais é uma mina de ouro”, avança o Jornal de Negócios.

Publicidade

Apesar de a agência não ter confirmado os valores apresentados nesta tabela de preços, confirmou que Varoufakis é muito requisitado neste momento e que o pagamento pela sua intervenção tem em conta a distância, o tempo de viagem e o tipo de evento em que o antigo ministro irá discursar. Este mês o antigo número dois do governo grego esteve na Universidade de Coimbra, onde falou da situação política em Portugal e aconselhou ainda o Reino Unido a permanecer na União Europeia.

Estes valores exorbitantes para discursos em palestras ou universidades são comuns entre as figuras de destaque. Nomes como Tony Blair, José Maria Aznar ou até mesmo o casal Clinton também já foram notícia pelas quantias que exigiam para poderem estar presentes num evento. #Política Internacional