A maioria dos refugiados recusa rumar para Espanha e Portugal, mesmo quando os dois países da Península Ibérica fazem todos os esforços para tal. Segundo avança o jornal “Diário de Notícias”, dos 5 mil refugiados que poderiam vir para Portugal, somente 50 estão confirmados e a razão para estes números é simples: a elevada burocracia, mas também pelo facto de Portugal ser praticamente desconhecido para a maioria dos refugiados. Na verdade, a maioria dos migrantes pretende somente rumar para os países nórdicos ou então para a Alemanha.

Tal como garante o “Diário de Noticias”, o embaixador português na Grécia, Rui Alberto Treno, foi de propósito ao campo de refugiados de Kos para tentar explicar a alguns dos refugiados presentes os motivos e os factores positivos de uma vida digna em Portugal.

Publicidade
Publicidade

Também recentemente, um avião com destino a Espanha estava destinado para 40 refugiados, porém somente 14 aceitaram rumar ao país vizinho.

O director do SEF, Luís Gouveia, confessou à “Antena 1” que os refugiados recusam vir para Portugal por não conhecerem o país ou então porque existem comunidades de refugiados muito maiores noutros países. Segundo informa o “Diário de Notícias”, o destino preferencial dos refugiados é a Alemanha ou então os países nórdicos, devido à melhor qualidade de vida que estes podem proporcionar às suas famílias.

Para o dirigente dos Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, não é de desprezar o facto de que muitos refugiados não conhecem sequer a existência de outros Estados membros, ou seja, locais diferentes dos países a norte da Europa que estão mais do que disponíveis para acolher um grande número de migrantes, que neste momento estão em campos de refugiados na Grécia e Itália.

Publicidade

Porém, e apesar dos esforços de Espanha e Portugal para convencer muitos refugiados a optarem pela Península Ibérica, Luís Gouveia confessa que os dois países são quase desconhecidos pela maioria, mas que é urgente quebrar essa resistência inicial para Portugal conseguir receber os 5 mil refugiados previstos. #Emigração #Causas