No sudoeste da Alemanha, de Berlim a Sarre, tem vindo a verificar-se um aumento de refugiados que estarão a frequentar mesquitas que alegadamente promovem acções extremistas. Segundo informa o jornal “Wall Street Journal”, na Alemanha existe uma preocupação crescente pela radicalização e atração de muitos refugiados para grupos potencialmente perigosos e com carácter radical. Os serviços secretos alemães já terão detectado 100 extremistas, que estão a tentar recrutar refugiados, estabelecendo contacto directo com eles.

Cientes de que várias mesquitas em Berlim estarão a promover ideais religiosos extremistas, as autoridades alemãs, por lei, não podem encerrar esses espaços, estando agora especialmente atentas a quem os frequenta, especialmente novos membros, já que muitos deles serão refugiados. Apesar dos panfletos distribuídos pelas autoridades alemãs a todos os migrantes alertando para os riscos de radicalização, alguns parecem já ter caído na teia dos extremistas.

Segundo confirmou a técnica dos recrutadores dos Serviços Secretos, Torsten Voss, os extremistas oferecem boleias, comida, roupas muçulmanas, abrigo, convidam para jogos de futebol e eventos sociais, somente para conseguirem ganhar a confiança dos refugiados que chegaram há pouco tempo à Alemanha e que ainda estão a atravessar algumas dificuldades de adaptação inicial. “Eles dizem que os vão ajudar a viver com as suas crenças”, confessou Torsten Voss, segundo informa o jornal “Diário de Notícias”.

Apesar de toda a preocupação crescente por parte da Alemanha, a verdade é que os serviços secretos revelaram casos de refugiados que podem já estar ligados ao extremismo, frequentando locais que o promovem. Outra dificuldade que as autoridades alemãs enfrentam é que, mesmo que um extremista esteja em contacto com um grupo de refugiados, estas apenas podem perguntar o que estão a fazer, sendo que a resposta habitual é que estão apenas a tentar ajudar somente por razões religiosas e humanitárias. Fonte do “Wall Street Journal” garante que o número de refugiados que frequentam as três mesquitas de Berlim identificadas pelas autoridades está a aumentar, algo que preocupa muito a Alemanha. #Terrorismo #Emigração