Foi iniciada nesta terça-feira, 15 de Março, uma operação policial num subúrbio de Bruxelas, na Bélgica, relacionada com os atentados ocorridos em Paris no passado ano. As buscas feitas a várias residências no bairro de Forest resultaram em tiroteios que feriram três agentes da #Polícia e na fuga de pelo menos um suspeito - o autor dos disparos.

Um responsável político de Bruxelas afirmou ao jornal belga Le Soir que "o número de suspeitos em fuga ainda não foi determinado", assim como a participação conjunta das autoridades francesas nas buscas.

A Procuradoria Federal da Bélgica confirma tratar-se de uma operação relacionada com os ataques terroristas em Paris de 13 de Novembro.

Publicidade
Publicidade

No entanto, uma porta-voz da polícia belga não confirmou o envolvimento das forças anti-terroristas na operação.

Em declarações à AFP, o procurador Eric Van der Spyt confirma a relação das buscas com os ataques em França, nos quais morreram 130 pessoas. Os atentados terão sido orquestrados nos subúrbios de Bruxelas, local onde vivia um dos principais suspeitos, Salah Abdeslam. A investigação, ainda em curso, já confirmou a ligação de 11 pessoas aos ataques e oito ainda se encontram em prisão preventiva.

Segundo a polícia belga, o principal suspeito Salah Abdeslam terá regressado a apartamento belga após os ataques em França. A descoberta de uma impressão digital de Abdeslam terá desencadeado uma nova linha na investigação dos atentados. Também na mesma zona foram encontrados material para produzir explosivos, vestígios de explosivos e pelo menos três cintos. 

Relembre-se que, devido à relação entre os alegados terroristas e a Bélgica, o país encontra-se no nível de alerta 3, considerado grave pelo órgão de coordenação para análise de ameaça. Durante a Comissão de Luta contra o #Terrorismo do Parlamento belga, o procurador federal Frédéric van Leeuwn alertou para a ameaça que o estado belga está a viver.

Publicidade

Pelo facto de ser algo inédito, Van Leeun afirmou que nunca foram "confrontados com este tipo de criminalidade, com pessoas treinadas militarmente e às centenas".

O subúrbio de Forest suspendeu a circulação de transportes públicos e de pessoas até ao final da operação policial por razões de segurança.