Uma equipa de paleontólogos descobriu numa área que tem sido investigada há várias décadas uma nova espécie de anfíbio pré-histórico que, ao que parece, é exclusiva do Algarve. A equipa de investigadores já tem esta área sob investigação desde 2009 e na sua última incursão foram descobertos novos fósseis. Ao que tudo indica, a espécie encontrada é uma salamandra gigante, que terá sido extinta há cerca de 220 milhões de anos e é única no mundo. Um dos membros da equipa de investigação, Steve Brusatte (da Universidade de Edimburgo na Escócia), alega que a criatura fazia parte do grupo dos grandes predadores da altura, descrevendo-a como sendo "um anfíbio gigante, maior que um automóvel, com grande mandíbula repleta de dentes afiados".

A nova criatura foi baptizada como "Metoposaurus Algarvensis", nome registado em concordância com o local onde foi encontrada. Já havia suspeita de ter existido tal criatura, devido à existência de outros fósseis encontrados perto do local, mas sem quaisquer provas encontradas até à data.

Já não é a primeira vez que o Algarve atrai cientistas paleontólogos. A primeira vez foi nos anos 70, quando um grupo de cientistas alemães decidiu iniciar um estudo em solo algarvio. O resultado foi a descoberta de vestígios de grandes criaturas que supostamente povoaram a área. Na altura recolheram os fósseis encontrados e foi feita uma exposição num museu em Berlim.

Recentemente o francês Jean-Sébastien Steyer resolveu analisar os fósseis encontrados e as suas formas despertaram-lhe a atenção. Surgiu-lhe uma ideia, que supunha a existência de uma espécie. Contactou com Brusatte, com Richard Butler, da Universidade de Birmingham, e com o português Octávio Mateus, da Universidade de Lisboa e em conjunto decidiram abrir nova investigação. Após anos de buscas e de trabalho em campo conseguiram, efectivamente, descobrir esta nova espécie que dizem ser "um marco na história pré-histórica portuguesa" e um grande passo no conhecimento da evolução das espécies que já se extinguiram.