Uma rapariga, de 23 anos, foi detida esta quinta-feira, 3 de março, por suspeita de ter assassinado o marido. A situação ocorreu de madrugada, dentro da própria casa, quando os dois se envolveram numa violenta discussão e agressões. A vítima, de 24 anos, natural de Cabo Verde, não resistiu aos ferimentos depois de a rapariga, alegadamente, o ter esfaqueado. O caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária.

O alegado homicídio terá ocorrido por volta das quatro horas de madrugada desta quinta-feira, 3 de fevereiro. O rapaz, de 24 anos, chegou alcoolizado a casa, um apartamento no centro da cidade de Lagos, no distrito de Faro. Naquele momento, o casal terá sido protagonista de uma violenta discussão, passando a agressões.

Conta o jornal Correio da Manhã que durante o desentendimento, a jovem, grávida de sete meses, foi à cozinha da habitação, pegou numa faca e atacou o marido. Desferiu-lhe um golpe na mão e outro no peito. Uma facada que terá sido fatal para o rapaz. Terá sido a alegada agressora que deu o alerta às autoridades. Quando os bombeiros chegaram ao local depararam-se com a vítima em paragem cardiorrespiratória. O cadáver viria a ser removido pouco depois das 8:30 horas para o Gabinete Médico Legal do Hospital de Portimão onde será submetido a autópsia.

36 mulheres assassinadas em média por ano

Segundo a União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), nos últimos 12 anos, foram assassinadas, em média, 36 mulheres por ano. No ano passado (2015) foram assassinadas 29 mulheres e outras 39 foram vítimas de tentativa de homicídio. Um decréscimo de 16 mulheres do que em igual período em relação ao ano anterior. Os dados tornados públicos nesta quinta-feira, indicam que dos 29 casos registados no ano transacto, 87 por cento das vítimas tinham ou tiveram uma relação de intimidade com o agressor. E, em 4 situações, havia uma “relação familiar privilegiada” entre a mulher e o agressor. A estatística revela, ainda, que o maior número de homicídios ocorrerem, essencialmente, nos meses de Janeiro, Março e Abril. #Crime