O Arsenal recebia em sua casa o Chelsea, em jogo a contar para a 33ª jornada da liga inglesa, em que se podia decidir praticamente o título a favor da equipa de José Mourinho. Esperava-se um jogo intenso, com bastante qualidade de parte a parte, principalmente pelas qualidades individuais e coletivas de cada equipa. O Arsenal, em caso de vitória, poderia ganhar uma importante vantagem sobre um perseguidor direto na luta por um lugar de acesso à fase de grupos da Champions League na próxima temporada. Já o Chelsea, se conseguisse levar os três pontos do Emirates, cimentava o seu primeiro lugar e se na próxima quarta-feira ganhasse no terreno do Leicester, sagrar-se-ia campeão inglês.

O Arsenal entrou forte no jogo, tentando imprimir o seu estilo. Um futebol ofensivo, com bastante posse de bola e um jogo maioritariamente interior, confiando sobretudo nos rasgos individuais da sua estrela mor, Alexis Sánchez. Já o Chelsea estava a tentar evitar que o Arsenal não criasse perigo e num roubo de bola explorasse o contra-ataque. A primeira oportunidade de perigo no jogo seria mesmo por parte do Chelsea, curiosamente num contra-ataque, em que Bellerín evitou o golo em cima da linha, após um excelente chapéu de Óscar por cima de Ospina.

Apesar de avalanche ofensiva dos "Gunners" era o Chelsea que criava mais perigo sempre que ia à área da equipa da casa. A última e segunda grande oportunidade de golo iria pertencer novamente ao Chelsea, ao minuto 37, depois de uma brilhante combinação que isolou Ramires na área, mas o jogador do Chelsea atirou fraco para as mãos do guarda-redes. Os jogadores recolhiam ao balneários empatados a zero.

Depois de uma primeira parte bem jogada, com alguns lances muito bem jogados, a segunda parte iria ser um pouco atabalhoada e confusa, com lances de pouca qualidade. A prova disso é que as oportunidades de golo para o Arsenal surgiram apenas nos últimos dez minutos de jogo, com o belga Courtois a salvar a sua equipa da derrota. Primeiro, aos 80 minutos, num remate de Welbeck e passado dez minutos, um remate rasteiro que saiu a rasar o poste direito da baliza dos "Blues".

Com este empate o Chelsea fica com mais 10 pontos do que o segundo classificado e ainda com um jogo a menos. Quando o árbitro deu por terminada a partida José Mourinho recolheu imediatamente aos balneários, não cumprimentando o seu "amigo" Ársene Wenger. #Premier League