A FIFA e a UEFA fizeram um ultimato à Grécia, ameaçando excluir a selecção nacional e os clubes gregos das competições internacionais caso seja aprovada a lei para combater a corrupção e o hooliganismo em todas as modalidades desportivas do país, apresentada pelo ministro do Desporto, Stavros Kontonis. As duas organizações internacionais consideram que a proposta do governo liderado pelo Syriza interfere na autonomia da Federação Helénica de #Futebol (EPO, pelas iniciais em grego). Jerome Valcke e Gianni Infantino, secretários-gerais da FIFA e da UEFA, respectivamente, expressaram as suas preocupações esta quarta-feira. Infantino disse esperar que as ameaças façam o governo grego reconsiderar as suas acções no que concerne à autonomia do desporto. "Só assim poderemos continuar a trabalhar em conjunto para resolver os problemas que afectam o futebol grego", afirmou.

Os órgãos que tutelam o futebol mundial e europeu têm regras muito restritas que protegem a independência das federações para gerirem as suas competições. As principais objecções da FIFA e da UEFA à proposta de lei prendem-se com o facto de esta atribuir ao Estado a possibilidade de banir clubes gregos das competições internacionais, forçar as equipas a implementar sistemas de bilhetes electrónicos, suspender jogos em relação aos quais existam suspeitas de resultados viciados, entre outros. Apesar de tudo, a EPO concordou com a iniciativa governamental, que pretende reduzir a violência no desporto, e permitiu que o ministro do Desporto aplicasse multas aos clubes cujos adeptos sejam responsáveis por distúrbios.

Stavros Kontonis, titular da pasta do Desporto, mostrou-se, ainda assim, confiante de que o governo vai mesmo aplicar a lei, apesar das reticências internacionais. "Onde está envolvido o dinheiro público, ninguém pode ser excluído. Queremos a auto-regulamentação, mas todas as federações desportivas vão ser monitorizadas e tratadas de maneira uniforme, sem excepções", declarou.

Convém recordar que, no final de Fevereiro, o governo grego decretou a suspensão temporária do campeonato de futebol devido à violência. A decisão foi tomada após confrontos entre adeptos dos rivais Olympiakos e Panathinaikos. Foi a terceira vez esta temporada que os campeonatos profissionais estiveram suspensos na Grécia, devido à violência. Os gregos, em risco de serem excluídos da Zona Euro, podem também ficar sem o seu tão adorado futebol.