Já se sabe que o ambiente entre Ricardo Quaresma e Julen Lopetegui nunca foi calmo. A relação entre o português e o treinador espanhol azedou logo no início da temporada, quando as escolhas do técnico para as alas recaíram em Brahimi e Tello. A já famosa rotação de jogadores promovida por Lopetegui, aliada aos golos decisivos que Ricardo Quaresma foi marcando, acabaram por amenizar a tensão que existia e chegou a ser visível publicamente.

O mês de abril, porém, chegou para entornar o caldo. Depois da eliminação aos pés do Bayern Munique, com uma goleada por 1-6 na Alemanha, onde Lopetegui retirou Quaresma do campo ao intervalo, seguiu-se o empate na Luz, a zero, com o extremo internacional português a começar o jogo com o Benfica no banco de suplentes.

No final da partida, que terá ditado o adeus do FC Porto ao título, e já depois do propalado desentendimento entre Lopetegui e Jorge Jesus junto ao túnel de acesso aos balneários, Ricardo Quaresma foi dar um abraço, em pleno relvado, ao treinador do Benfica. Um gesto que, claro está, não caiu nada bem junto da administração portista.

A começar esta semana, de preparação para o jogo de domingo no Bonfim, diante do Vitória de Setúbal, a SAD azul e branca tratou de passar a mensagem para os meios de comunicação social, sobretudo os três diários desportivos: aconteça o que acontecer - e o cenário de uma temporada sem títulos, algo que aconteceu apenas três vezes no reinado de Pinto da Costa, é real -, Lopetegui será o treinador do FC Porto na próxima época.

Nesse sentido, Lopetegui tem carta branca para prescindir de Ricardo Quaresma nas últimas quatro jornadas do campeonato, já a começar no jogo com o Vitória de Setúbal. É que, além do comportamento do extremo, considerado desrespeitoso para com o clube e o treinador, o internacional português tem também muito a ganhar caso faça... mais um jogo com a camisola dos azuis e brancos. É que, a cada 20 jogos realizados, Quaresma tem um bónus de 100 mil euros, previsto aquando da assinatura do contrato neste seu regresso ao Dragão, oriundo do Besiktas, em janeiro do ano passado.

Nessa altura, o jogador acabou por aceitar baixar o salário que auferia no clube turco e na sua anterior passagem pelo Dragão (ganhava cerca de 175 mil euros/mensais), mas incluiu cláusulas de produtividade. E, caso seja utilizado diante dos sadinos, o 'mustang' cumpre a 40ª partida da temporada: 26 no campeonato, 10 na Liga dos Campeões e outras 3 na Taça da Liga. #Futebol #F.C.Porto