Quinze segundos! Apenas quinze segundos demorou o #Sporting a inaugurar o marcador no clássico frente ao Boavista. Um erro infeliz do central Philipe Sampaio permitiu a Adrien Silva bater Mika e desatar o nulo, no que poderia ser o início ideal para a equipa da casa. Um golo tão cedo deita por terra qualquer estratégia e o Boavista podia ter-se ressentido. Mas não, a já famosa garra e vontade da equipa axadrezada veio ao de cima e, aos 7 minutos, Zé Manuel repôs a igualdade no marcador, respondendo de cabeça a um ataque rápido de Leozinho pelo flanco esquerdo. Justiça, pois em tão poucos minutos de jogo, naturalmente nenhuma das equipas tinha produzido o suficiente para merecer estar a vencer.

A partir daí, até ao final da primeira parte, sobressaiu o estilo de jogo do Boavista, habitual quando joga fora de casa, entregando a posse de bola, actuando com grande entrega, pressionando o adversário até à exaustão. O Sporting sem arte para se livrar das marcações dos jogadores axadrezados, não criou qualquer oportunidade de golo, sendo os lances mais perigosos protagonizados por Appindangoye, central boavisteiro, que em dois cortes quase marcava na própria baliza.

O Boavista espreitou sempre o ataque rápido e acabou mesmo por criar os lances mais perigosos. Já em tempo de descontos, Leozinho isolou-se, sendo travado em falta por Tobias Figueiredo, que viu o cartão vermelho. Na marcação do livre, Zé Manuel atirou à barra da baliza de Rui Patrício, na melhor oportunidade de golo do primeiro tempo.

Para a segunda metade, Marco Silva fez entrar William Carvalho para o lugar de Tanaka, na tentativa de tapar o buraco deixado pela saída de Tobias. O Boavista apareceu mais afoito, assumindo um pouco mais o jogo. Petit refrescou o ataque, numa troca directa de Leozinho por Brito, perspectivando explorar a superioridade numérica em rápidos ataques. O jogo tornou-se mais equilibrado, com uma oportunidade para cada equipa, por Adrien e Brito, até que aos 65 minutos, sem nada o fazer prever, Slimani aproveita uma falha defensiva do Boavista para fazer o 2-1.

Petit responde de imediato, retirando Diego Lima para fazer entrar Uchebo, arriscando ainda mais no ataque. A partir deste momento, o jogo passou a ser dominado pelos axadrezados, com o Sporting a limitar-se a tentar explorar o contra-ataque. Não obstante este maior domínio, o Boavista não conseguiu criar hipóteses de marcar, falhando quase sempre no último passe. Aos 88 minutos Philipe Sampaio é expulso e o jogo praticamente terminou nesse momento, sem tempo para mais nenhuma jogada de realce.

Foi um jogo mal perdido pelo Boavista, que teve tudo para vencer a partida, mas que não soube aproveitar a vantagem numérica. O Sporting acabou por alcançar uma vitória muito sofrida, num clássico que deveria ter terminado num empate, que seria o resultado mais justo. #Futebol