Luís Portela foi titular em duas das três partidas que Portugal disputou em 2007 no Europeu de sub-19. Formado no Vitória de Setúbal, o lateral direito integrou uma seleção cujas principais estrelas eram Fábio Paim e Daniel Carriço. O promissor defesa sonhava em ter uma carreira ao mais alto nível no #Futebol, mas, como muitas vezes sucede, a realidade acabou por ser muito diferente e tem feito uma carreira a nível sénior bem longe dos holofotes da fama. Hoje, com 27 anos, representa o Alcochetense, atual terceiro classificado da 1ª Divisão da Associação de Futebol de Setúbal, onde tem como companheiros de equipa Marco Véstia, Miguel Serôdio e Peter Caraballo, os dois últimos formados no Sporting, que também representaram Portugal nas camadas jovens..

Nascido em Setúbal, Luís Portela fez toda a formação no clube da sua cidade-natal e viveu o ponto mais alto da sua carreira quando foi titular na estreia de Portugal no Europeu de sub-19, disputado em julho de 2007, na Áustria. Nessa competição de má memória para as cores lusas, Luís Portela jogou os 90 minutos na derrota contra a Grécia graças a um golo do "panzer" Mitroglou. Apesar do desaire, o selecionador Edgar Borges manteve a confiança no jogador para o segundo encontro, que redundou num empate a uma bola com Espanha.

Nesse encontro, Luís Portela foi substituído por João Gonçalves, da formação do Sporting, aos 79 minutos, e no terceiro e derradeiro jogo jogou apenas os últimos nove minutos no triunfo frente à seleção anfitriã por 2-0. Antes de "aterrar" em Alcochete, há três épocas, e sem nunca dispor de uma verdadeira oportunidade para mostrar o seu valor no emblema sadino, o lateral prosseguiu a carreira nos escalões secundários nacionais, representando clubes como Pinhalnovense, Penalva do Castelo ou Estrela de Vendas Novas. Pelo meio, em 2009/2010, ainda teve uma "aventura" em Espanha, onde representou o Cerro de Reyes, de Badajoz, da IIIª Divisão. Segundo o site da Federação Portuguesa de Futebol, Luís Carlos Fernandes Portela representou Portugal por 22 vezes, uma nos sub-18, 15 nos sub-19, três nos sub-20 e outras três nos sub-21.

Finalista da Taça da AF Setúbal, agendada para 7 de junho no Estádio do Bonfim, frente ao Vasco da Gama de Sines, o Alcochetense pode orgulhar-se de ter ainda outros três internacionais a defender as suas cores. São eles Peter Caraballo, um dos melhores marcadores da equipa, que foi internacional sub-16 e sub-18. Formado no Sporting, o jovem ponta-de-lança, de apenas 22 anos, também nunca dispôs de uma oportunidade para mostrar o seu valor numa equipa de primeiro nível e acumula passagens por diversos clubes dos escalões secundários.

Um ano mais velho, e chegado a Alcochete já com a época em andamento, Miguel Serôdio, filho do antigo jogador do Farense com o mesmo nome, também passou grande parte da formação no Sporting. Após sucessivos empréstimos a diversos clubes, o defesa central terminou a ligação ao clube de Alvalade e tem demorado a conseguir alcançar o sucesso que se lhe vaticinava nas camadas jovens. Iniciou a temporada no Eléctrico de Ponte de Sôr, do Campeonato Nacional de Seniores, mas acabou por ser um reforço de peso de última hora para o Alcochetense, treinado por Zé Pedro, antigo jogador de Belenenses, Vitória de Setúbal ou Boavista. Segundo o site da FPF, Miguel Serôdio representou Portugal por 27 vezes, sete nos sub-16, 15 nos sub-17, três nos sub-18 e duas nos sub-19.

Igualmente avançado, Marco Véstia, formado no Barreirense, fecha este lote de quatro internacionais que representam o Alcochetense. Atualmente com 29 anos, o jogador representou Portugal no escalão de sub-17 por duas vezes. Chegou a atuar na Segunda Liga pelo Barreirense.

Será que estes serão mais quatro antigos internacionais que, à semelhança de Toninho e de Luís Afonso, campeões europeus de sub-16 também em 2007, nunca irão chegar ao principal escalão do futebol nacional? #Por onde anda...