A FIFA acordou esta manhã sob o olhar da imprensa e da justiça depois de vários dirigentes do organismo que gere o futebol a nível mundial terem sido detidos em Zurique, na Suíça, a pedido da justiça norte-americana. Sobre a mesa estarão suspeitas de corrupção ao nível da escolha dos locais da realização dos mundiais, bem como dos direitos televisivos.

Os dirigentes detidos esta manhã pela polícia suíça encontravam-se reunidos em Zurique para o encontro anual. As autoridades dirigiram-se ao hotel Baur au Lac, nos Alpes, onde se encontravam hospedados para realizar as detenções. As acusações lançadas pela #Justiça norte-americana, que exige a extradição destes dirigentes, dizem respeito a indícios de corrupção nos processos de selecção dos países organizadores dos mundiais e nas negociações dos direitos televisivos e publicitários ao longo das últimas duas décadas.

Apesar de não estar implicado nas acusações, o diário "The New York Times" afirma que a candidatura de Joseph Blatter poderá estar em risco com este processo. Recorde-se que a confirmarem-se estes casos de corrupção, tudo terá acontecido durante os mandatos do actual presidente da #FIFA. Além disso, o jornal refere que as investigações ainda não estão concluídas, pelo que Blatter poderá ainda vir a ser acusado. Entre os detidos estará o costa-riquenho Eduardo Li e ainda o antigo vice-presidente da FIFA, o norte-americano Jack Warner. Além dos detidos em Zurique, a justiça norte-americana pretende avançar com acusações a mais 10 dirigentes, no entanto, nem todos estavam presentes na reunião de Zurique. Um desses dirigentes é Jeffrey Webb, das Ilhas Caimão e vice-presidente da comissão executiva da FIFA.

O processo judicial será também instaurado a executivos de empresas dos Estados Unidos e da África do Sul ligadas ao desporto e ao marketing. De acordo com fontes judiciais, recai sobre eles a acusação de terem pago subornos nos valores de cerca de 137 milhões de euros. Em troca estas empresas garantiam acordos com os média responsáveis pelas transmissões dos campeonatos organizados pela FIFA. Outro dos nomes que surge na lista é o de Eugenio Figueredo, do Uruguai, vice-presidente da comissão executiva, e que até há bem pouco tempo era o presidente da CONMEBOL, a Associação de #Futebol da América do Sul.

Relembre-se que Luís Figo, já retirado da corrida à Presidência da FIFA, tinha feito ao longo da sua campanha várias menções a processos de índole duvidosa no seio da entidade máxima do futebol mundial e que estariam a desvirtuar o desporto.