A uma semana das eleições para a presidência da #FIFA, o ex-jogador de futebol Luís Figo, candidato ao cargo, desistiu há momentos da sua candidatura. Marcadas para o próximo dia 29 deste mês, em Zurique, na Suíça, as eleições serão, na opinião do mais internacional dos jogadores portugueses, "um plebiscito de entrega do poder absoluto a uma pessoa - algo que recuso a aceitar".

No comunicado emitido pelo antigo jogador português pode ler-se que o mesmo acaba por desistir da sua candidatura à FIFA, depois de se ter anunciado como candidato a 28 de Janeiro. No momento em que anunciou a sua candidatura, o antigo jogador português mostrou-se preocupado com o #Futebol e chegou mesmo a manifestar-se apreensivo com uma possível reeleição de Blatter. Disse inclusive na altura que "se nada mudar, serão mais quatro anos perdidos em matéria de transparência e modernização".

Já este mês, #Luís Figo demonstrou estar confiante em conquistar uma vitória com o seu programa, cujos objectivos visavam uma melhor "distribuição de fundos" entre federações e ainda uma maior transparência no meio. Agora, no comunicado que o próprio emitiu, sabe-se que as próximas eleições não serão "um processo eleitoral normal. Por causa disso, não contem comigo". Num conjunto de afirmações duras, e dirigidas a tudo e a todos, Figo afirma ainda que assistiu "a episódios consecutivos, em diversos pontos do planeta, que devem envergonhar quem deseja um futebol livre, limpo e democrático".

Fora desta corrida à presidência do órgão máximo do futebol ficou também o holandês Michael Van Praag, depois de ter anunciado igualmente a sua desistência. Assim sendo, e a uma semana da eleição, são dois os candidatos que se mantêm na corrida, o actual presidente da FIFA, Joseph Blatter, e o príncipe da Jordânia, Alin bin Al Hussein, vice-presidente do organismo para a Ásia. Caso Blatter consiga ser reeleito será este o seu quinto mandato.

A terminar, o antigo jogador agradece todo o apoio que lhe foi dado e pede que se mantenha a esperança de que a mudança um dia poderá chegar.