José Mourinho, atual treinador do Chelsea, e Josep Guardiola, atual treinador do Bayern Munique, são considerados por muitos os melhores treinadores do mundo. Quem não gostaria de contar com os serviços destes técnicos? A seleção brasileira demonstrou interesse e os 2 até mostraram disponibilidade... no futuro.

No ano passado, antes da mundial de 2014, a Confederação Brasileira de #Futebol sondou o empresário de José Mourinho, Jorge Mendes, para saber qual a disponibilidade do treinador para orientar a seleção brasileira no imediato. O treinador português, que renovou recentemente o seu contrato com o Chelsea até 2019, disse que para já pretende permanecer em Inglaterra, mas não descartou essa hipótese para 2018, ano do Mundial (na Rússia).

Segundo o jornal a Marca, este interesse no português teve forte influência do avançado Ronaldo. Recorde-se que "O fenómeno" conhece bem Mourinho, uma vez que trabalharam juntos no Barcelona, na década de 90 (Mourinho era na época treinador adjunto de Bobby Robson e mais tarde de Louis Van Gaal).

Para além dos vários títulos conquistados até hoje, o "Special One" apresenta ainda outros pontos fortes para o cargo: tem como língua mãe o português, apoiou (caso Portugal não conseguisse) a conquista do mundial por parte da seleção brasileira do mundial 2014, tem um grande carisma, apresenta a tática que melhor se encaixa para cada jogo, trazendo com isso muitas vezes ótimos resultados e está habituado a lidar com jogadores brasileiros (já orientou por exemplo Deco, Oscar, Marcelo, David Luiz, William, Ramires, ou Pepe), e os seus conhecimentos futebolísticos poderiam inovar o futebol brasileiro.

Em 2012-2013, Guardiola fez uma pausa no futebol após anos de sucesso no Barcelona. Foi apontado para vários clubes e inclusivamente uma seleção... a do Brasil. Segundo o jornal brasileiro Lance, o espanhol terá confidenciado a um amigo que só estava disposto a quebrar o ano de descanso se o Brasil o quisesse contratar: "O Brasil é a única equipa que começaria a treinar amanhã". Porém, ao ESPN, Guardiola disse "que um país com tantos mundiais como o Brasil pense em mim é uma honra, mas sempre pensei que uma seleção deve ser dirigida pelas pessoas de seu país, e o Brasil tem técnicos muito bons".

Diz-se que o antigo atleta e treinador do Barcelona sonha orientar duas seleções: O Brasil e a ...Argentina! Refira-se, por curiosidade, que a primeira vez que Guardiola foi associado à América do Sul/ Argentina, foi ainda como jogador, em 2005. Recebeu uma proposta do River Plate e, embora tivesse algum interesse na oferta, decidiu não aceitar: "Quando o Mascherano foi para o Corinthians, fui contactado pelo River, mas já eu estava no fim (da carreira)", afirmou ao Site Kaiser.

Para já o seu sonho terá de esperar. Guardiola vai continuar em Munique, e depois, segundo alguma imprensa, deve rumar ao Qatar, onde vai orientar a seleção daquele pequeno país.