A aposta não é de agora, mas a Selecção espanhola vai em frente na naturalização de dois jovens jogadores franceses para assim poderem jogar com as cores da Roja. Preocupados com o avançar da idade de Sergio Ramos, Piqué e Raul Albiol (todos na casa dos 30 anos ou perto disso), Vicente Del Bosque, em consonância com a Real Federação Espanhola de #Futebol, deu o aval para que Lucas Hernández, do Atlético de Madrid, e Aymeric Laporte, do Athletic Bilbao, possam ter passaporte espanhol. Ambos os jogadores são internacionais pelas equipas jovens de França, mas sempre jogaram no país vizinho, factor que pode facilitar no processo de escolha pela selecção de Espanha.

Dos dois, Lucas Hernández é aquele que já admitiu naturalizar-se para ser internacional AA pela Espanha. Filho do antigo jogador Jean-François Hernández, que também representou o Atlético de Madrid, Lucas tem sido a espaços chamado ao plantel principal dos Colchoneros, orientado por Diego Pablo Simeone. Defesa central de origem, com capacidade para desempenhar funções de lateral esquerdo, aos 19 anos vê com bons olhos a possibilidade de representar a Espanha, isto porque o caminho para a selecção AA francesa está "ocupado" com outros centrais de qualidade inegável e todos eles ainda com muitos anos de futebol pela frente, a saber Varane (23 anos), Mangala (25) e Zouma (20).

Outro jogador cuja evolução está a ser atentamente seguida por Del Bosque é Aymeric Laporte. Nascido em Agen, França, o central do Athletic Bilbao é já uma das pedras basilares dos bascos, somando 31 jogos esta temporada na Liga espanhola, todos como titular. Também Laporte, à semelhança de Lucas Hernández, sempre jogou em Espanha, mas é igualmente indiscutível nas selecções base da França. No entanto, o jogador do Athletic Bilbao já manifestou a intenção de representar os Bleus, mas a Federação espanhola tem esperança de ainda demover o defesa central de 20 anos.

Depois de em anos anteriores ter naturalizado jogadores como Donato, Marcos Senna e, mais recentemente, Diego Costa, todos nascidos no Brasil, chegou agora a vez da Roja "apostar" em dois franceses para colmatar uma brecha que está prestes a abrir na zona central da defensiva espanhola.