A cumprir o 76º aniversário da sua história, o Rio Ave prepara-se para dar um importante passo rumo a patamares mais altos. Depois da histórica qualificação para a Liga Europa esta temporada, tudo indica que o super-empresário Jorge Mendes terá "convencido" Peter Lim a investir na futura SAD vila-condense. O magnata de Singapura está muito perto de assumir toda a gestão do #Futebol profissional do emblema nortenho. Para que o negócio seja concretizado, a actual SDUQ (Sociedade Desportiva Unipessoal por Quotas) terá de passar a ser uma SAD (Sociedade Anónima Desportiva). A derradeira palavra pertence aos sócios que se pronunciarão em Assembleia Geral (AG).

Com resultados desportivos positivos e em crescendo, além das finanças serem no mínimo convidativas (sem dívidas e com sete anos seguidos com lucro), o Rio Ave está há algum tempo no radar de Jorge Mendes, que "deu a mão" a António Silva Campos em 2012 quando levou Nuno Espírito Santo para os Arcos naquela que foi a primeira experiência do antigo guarda-redes como treinador principal. Os resultados foram muito positivos, e em duas temporadas os vila-condenses atingiram a final da Taça de Portugal e da Taça da Liga, o que lhes permitiu a entrada nas pré-eliminatórias da Liga Europa, competição que o Rio Ave acabou mesmo por conseguir selar o passaporte já com Pedro Martins como novo timoneiro.

No entanto, a "ajuda" do super-empresário passou ainda pela vinda de jogadores como Ederson, Alberto Rodriguez, Filipe Augusto, Diego Lopes ou Bebé, que enriqueceram com muita qualidade os plantéis dos últimos três anos. Após "tirar" Nuno Espírito Santos dos Arcos para o colocar à frente do Valência, agora será a vez do magnata da Singapura chegar até ao Rio Ave para dar o "empurrão" que falta para cimentar a posição entre os seis mais fortes da Liga NOS. Dono de 70 por cento dos Che, depois de desembolsar 90 milhões de euros, Peter Lim ficou muito agradado com o projecto do emblema verde e branco, não tendo quaisquer dúvidas do potencial que o Rio Ave tem para explorar.

Ponto assente está na obrigatoriedade de que o clube passe a ser uma SAD, no entanto, essa é uma decisão que caberá em exclusivo aos associados do emblema vila-condense. Detentor da totalidade das acções, o clube terá que possuir pelo menos 10 por cento da nova Sociedade Anónima Desportiva. Os sócios também se vão pronunciar sobre a percentagem exacta que Peter Lim poderá adquirir. Com data ainda por definir para a realização da AG, será praticamente certo que todas estas dúvidas sejam resolvidas até o fim da presente temporada. Assim que o 'sim' seja dado, Peter Lim entrará a todo o gás de forma a dotar o Rio Ave das melhores condições possíveis para que o clube cimente o seu posto de candidato às competições europeias, luta essa que ainda está em aberto esta época. #Negócios