Festa para uns, desilusão para outros, esta é a frase que melhor caracteriza o final de tarde do passado domingo, 24 de maio. À entrada para a derradeira jornada, eram 5 as equipas candidatas à subida de divisão. O Tondela e o União da Madeira acabaram por carimbar a subida ao palco mais ambicionado em Portugal numa tarde que se revelou devastadora para Desportivo de Chaves, Sporting da Covilhã e Feirense cujas aspirações à promoção ficaram pelo caminho.

No arranque da 46.º jornada, o Tondela (80 pontos) partia com ligeira vantagem em relação aos adversários diretos, todos com 77 pontos. Posto isto, vários eram os desfechos em "cima da mesa". Numa última jornada que se revelou de loucos, o Feirense foi a primeira equipa a ficar arredada da discussão ao sofrer uma pesada derrota (4-1) contra o Farense. A disputa ficou entregue às outras quatro equipas que aos 90 minutos se encontravam todas igualadas a nível pontual (80 pontos).

O resultado desfavorável da equipa orientada por Quim Machado no reduto do Freamunde (1-0) e as vitórias do Desp. Chaves (2-0), União da Madeira (0-3) e Sporting da Covilhã (0-2) criavam uma conjugação de resultados que faria do Desportivo de Chaves campeão e asseguraria a subida do Tondela. No entanto, ao minuto 93 o inesperado aconteceu. André Carvalhas, jogador formado nas escolas do Benfica, cobrou de forma exemplar um livre direto à entrada da área deixando os homens do Desportivo de Chaves em lágrimas. Com este resultado os "Beirões" sagraram-se campeões atirando o Chaves, que já tinha um pé na Primeira Liga, para o terceiro lugar. O União da Madeira agradeceu, numa altura em que o cenário da subida era algo com que já poucos sonhavam.

A equipa pertencente ao distrito de Viseu fez história com esta conquista, ao ascender pela primeira vez ao escalão máximo do futebol português depois de um percurso iniciado há dez épocas atrás quando o clube alcançou a subida das distritais para a antiga 3.ª divisão nacional. Já o União da Madeira volta a um palco que já não pisava há 20 anos pela mão do técnico de 61 anos, Vítor Oliveira, que alcança assim a sua sétima subida de divisão na carreira. #Primeira Liga Portuguesa #Segunda Liga