A relação entre Marco Silva e o #Sporting parece condenada a chegar ao fim. De acordo com o jornal Correio da Manhã, os desentendimentos entre o treinador e o presidente Bruno de Carvalho remontam logo à pré-época. Marcos Rojo, central argentino actualmente no Manchester United, pode estar na origem das dificuldades de relacionamento entre equipa técnica e direcção, num caso que envolve a Doyen, à data detentora de metade do passe do jogador.

Segundo avança o CM, a Doyen terá pedido ao clube para não utilizar Rojo num jogo do troféu Teresa Herrera, pretensão recusada pela SAD. Ainda assim Marco Silva não utilizou o central nesse jogo e a proximidade entre o empresário do treinador (Carlos Gonçalves) e os responsáveis da Doyen terá levado a especulações, acentuadas pela ausência de justificação de Marco Silva, que terá dito que não tinha de dar qualquer justificação para a sua opção.

Por seu turno o jornal Record refere sobre o mesmo tema que o treinador terá pedido desculpas após o episódio, prometendo que tal situação não se repetiria. Na sequência do mesmo episódio, e devido à pretensão do jogador argentino em conseguir transferir-se para Inglaterra, Rojo terá alegadamente tentado agredir o presidente do clube, num episódio presenciado por Marco Silva, que não reprovou o jogador, o que foi mal visto pela direcção. A propósito deste episódio importa referir que o mesmo já foi negado pelo jogador, no Verão de 2014, em entrevista ao canal de televisão do clube.

A lista de divergências referidas hoje, dia 3, pelos mesmos órgãos de comunicação social continua, com uma alegada recusa de Slimani em participar num jogo contra a Lázio, o escasso recurso a jogadores da formação ou até mesmo a contratação do central Ewerton. O Correio da Manhã acrescenta ainda que Marco Silva recusou reunir com Bruno de Carvalho na segunda-feira, alegando indisponibilidade de agenda devido à sua participação num curso de treinadores.

Certo é que a continuidade do treinador, que devolveu os troféus ao Sporting ao fim de quase sete anos, parece cada vez mais difícil, num dia em que as manchetes colocam Jorge Jesus como cada vez mais provável treinador dos leões na próxima época.