"O churrasco une", afirma Pablo Moyano, argentino, cozinheiro no restaurante 9 Reinas, de Barcelona, propriedade, entre outros, de Xavier Escaich, ex-jogador do Espanyol e do Barcelona, Martín Posse, ex-Espanyol, e Mascherano, que explica: "O churrasco tem uma exigência principal: a carne tem de estar bem passada. É assim que o Leo [Messi] gosta". E foi à volta do churrasco que o famoso tridente do Barça fortaleceu a parceria que levou o clube a uma época de sonho.

O churrasco não é mais do que uma desculpa para juntar a família. Mas quando a família está longe, quando a família são os teus amigos, porque emigraste, o churrasco faz-se com os amigos. Em declarações ao El Mundo, Mascherano não se alargou em detalhes, como se estas reuniões familiares fossem um segredo, mas no balneário do Barcelona todos têm noção que grande parte do sucesso da MSN - Messi, Suárez, Neymar - se deve à excelente relação que os três têm fora do campo. "É raro um argentino, um uruguaio e um brasileiro darem-se tão bem", admite Neymar. "Temos uma relação linda e quando há entendimento fora do campo é mais fácil darmo-nos bem dentro", acrescenta Messi.

O ritual repete-se quase todos os domingos da temporada. Não interessa se é depois de uma vitória sobre o Sevilha ou antes de defrontar o PSG. A carne vem do restaurante de Mascherano, que é também quem dá a casa. Cabe ainda ao ex-Liverpool a tarefa de grelhar a carne. "Com paciência, tranquilidade e sem pressa", explica Moyano. "Gosto. Ajuda-me a desligar", justifica o jogador. Por lá passam habitualmente Daniel Alves, Neymar, Suárez, Bravo, Adriano, Iniesta, às vezes Xavi e, obviamente, Messi. E as suas mulheres, claro.

Enquanto Mascherano toma conta do grelhador, outros preparam as saladas (quando não é também o Jefecito a desempenhar essa tarefa). Daniel Alves é o responsável por entreter o pessoal com as suas brincadeiras. Também ajuda com a música, se bem que nesse campo é Neymar que se destaca. "Suárez prepara o mate" (bebida típica sul-americana), revela uma testemunha. E Messi? "Leo é o que não faz nada! Há sempre um que não faz nada", brinca a mesma fonte, "Leo joga #Futebol", responde Mascherano.

"Leo diverte-se à grande". Dizem que brinca muito com as crianças. Com o seu filho Thiago, é claro, mas também com os filhos dos restantes. "Gosta muito de crianças, tem um íman para as criaturas. E ri-se muito", refere ainda o jornal espanhol. "Tem uma boa onda com Luis Suárez", contam no balneário. É raro o dia em que não sobem para o campo de treino os dois juntos, a falar. "Ele achou muito injusto o que lhe aconteceu [o castigo da FIFA pela mordidela a Chiellini] porque ele passou por algo semelhante quando, por culpa da Liga, esteve uns meses sem poder jogar", recordam no Barça. As suas mulheres também se dão muito bem, o que facilita a relação.

A relação com Neymar é diferente. "Ney é um pibe [rapaz]. Sempre tratou o Leo com muito respeito, desde que se conheceram no Japão", descreve o matutino. Ao ponto de Messi lhe ter dito, primeiro em privado e depois em público, que não o respeitasse tanto, que fosse ele mesmo e que marcasse mais golos. "No fundo, Leo lembra-se como Ronaldinho sempre o tratou bem e dá-lhe a mão da mesma maneira". Nos treinos picam-se, no campo procuram-se e nos domingos de manhã, com a carne bem passada e o mate à uruguaia, tornaram-se amigos. #F.C. Barcelona