Numa investigação levada a cabo pela BBC, emitida este domingo, são visíveis os documentos que comprovam o que aconteceu aos 10 milhões de dólares transferidos para as contas do antigo vice-presidente da FIFA, Jack Warner. As transferências remetem para 2008 e constituem agora um dos principais elementos-chave na investigação de corrupção do organismo máximo do futebol. Segundo o New York Times da passada segunda-feira, terá sido Jérôme Valcke, o secretário-geral da FIFA e braço direito de Joseph Blatter, que transferiu 10 milhões de dólares para contas controladas por Jack Warner.

O dinheiro tinha como objectivo financiar um programa para desenvolver o futebol nas Caraíbas mas os documentos que a BBC veio revelar, demonstram a sua utilização para empréstimos pessoais, levantamentos de dinheiro e lavagem de dinheiro. Na altura, Warner era também presidente da Confederação de Futebol a América do Norte, Central e Caraíbas (CONCACAF). Foi suspenso dos cargos em 2011 por suspeitas de corrupção no processo eleitoral que viria a conduzir Blatter ao seu quarto mandato na presidência da FIFA.

Quase metade da transferência, 4.86 milhões de dólares, foi recebida pela cadeia de supermercados JTA, uma das maiores cadeias em Trindade e Tobago, o seu país, e os promotores norte-americanos afirmam que a quantia foi paga de volta a Jack Warner em dinheiro local. Quase 1.6 milhões foram usados pelos cartões de crédito de Warner e para empréstimos pessoais, sendo que o maior pagamento atingiu os 87 mil euros. Os documentos mostram ainda que 360.000 dólares da FIFA foram retirados por pessoas ligadas ao ex-vice-presidente.

Jack Warner, de 72 anos, é um dos 14 acusados de corrupção da FIFA e o departamento de justiça americana acredita que os valores ascendam aos 150 milhões de dólares num período de 24 anos. O antigo vice-presidente da FIFA desmente qualquer envolvimento e está desde quarta-feira na lista dos mais procurados pela Interpol, juntando-se a outros seis nomes de personalidades associadas à FIFA. #Crime