O ex-presidente do #Sporting Godinho Lopes foi notificado sobre uma eventual expulsão da qualidade de sócio do clube que dirigiu entre 2011 e 2013. O antigo líder leonino anunciou este sábado, 27 de junho, que teve conhecimento de uma petição defendida por alguns associados na véspera da Taça de Portugal, conquistada pelo clube. Mas o nome de Godinho Lopes está também associado a alegados maus atos de gestão do clube, apurados na auditoria pedida por Bruno de Carvalho.

Godinho Lopes foi notificado pelo Conselho Fiscal e Disciplinar do Sporting, mas a decisão quanto a uma possível expulsão de sócio só pode ser tomada na Assembleia Geral do clube, marcada para amanhã, 28 de junho. Na mesma reunião magna do clube de Alvalade irão também ser analisados os resultados da auditoria à gestão pedida pelo atual presidente aos anos de gestão entre 1995 e 2013 e que incluem os anos da presidência de Godinho Lopes. Segundo a Mazars, existe um desvio de mais de 91 milhões de euros do estádio José Alvalade e da Academia de Alcochete.

Godinho Lopes, que também foi dirigente do Sporting entre 1999 e 2003 e ficou associado à construção do novo estádio e ainda à conquista dos dois únicos campeonatos por parte do clube em 30 anos, respondeu este sábado aos dois processos, através de um comunicado, em que anuncia que vai processar que os responsáveis pela petição que visa a sua expulsão enquanto sócio e ainda os atuais dirigentes do Sporting. Na nota, o ex-líder diz que nunca foi ouvido durante a recolha de documentos para a auditoria, pelo que não conhece os resultados da mesma. Godinho Lopes diz também que "ouvir falar de desvios sem conhecer bem a base nem o seu objeto é calúnia".

Por isso, pode ler-se na mesma nota, o antecessor de Bruno de Carvalho vai apresentar queixa na Justiça para "poder ter acesso a toda a informação que ainda esteja no Clube", "estar perante uma entidade imparcial" e ainda para repor "a verdade dos factos". Godinho Lopes garante ainda que nunca usou o cargo para benefício próprio, nem geriu "com dolo" o clube. "Todas as atitudes que tomei foram para beneficiar exclusivamente o Sporting", continua o ex-dirigente, sublinhando que "nenhuma verdadeira auditoria pode manchar o meu bom nome".

Por estes motivos e ainda por considerar que se dedicou "a tempo inteiro com prazer e sem contrapartidas ao Clube, mas com sérios prejuízos profissionais e familiares", Godinho Lopes garante que vai processar os autores da petição e ainda os dirigentes do clube. "Aguardarei o desfecho com a mesma tranquilidade de jamais ter prejudicado o meu clube", remata o ex-presidente.