No auge de um enorme escândalo de corrupção e após inúmeras pressões dos mais diversos quadrantes, Joseph Blatter demitiu-se da presidência da FIFA. O ainda presidente anuncia a sua saída apenas quatro dias após a sua reeleição e após 17 anos na liderança do órgão máximo do futebol mundial, lugar a que chegou em 1998. Numa conferência de imprensa ocorrida hoje na sede do organismo em Zurique, o suíço anunciou que convocará um congresso extraordinário para eleger um novo presidente.

"Não sinto que tenha mandato da parte de todo o mundo do futebol - os adeptos, os jogadores, os clubes, as pessoas que vivem, respiram e adoram futebol, tanto como nós na #FIFA. Nesse sentido decidi cessar o meu mandato num congresso extraordinário. Continuarei a exercer as minhas funções de presidente da FIFA até essa eleição", afirmou.

O próximo congresso da FIFA está agendado para 13 Maio de 2016 na Cidade do México. O que, de acordo com Blatter, criaria um atraso desnecessário, facto que levará à convocação de um congresso extraordinário para a eleição de um novo presidente.

O ainda presidente declarou que com esta decisão fica agora "livre dos constrangimentos de uma eleição", o que, segundo o próprio, o deixará em posição de se focar em profundas reformas ao nível da cúpula do futebol mundial.

Entre as pretensões anunciadas está a redução do Comité Executivo da FIFA e a eleição dos seus membros através do congresso, incluindo ainda a limitação de mandatos, alterações que Blatter reclama ter tentado promover mas sem sucesso devido a forças de bloqueio.

A profunda reforma que a FIFA pretende promover será liderada por Domenico Scala, Chairman da Comissão de Auditoria e Compliance, que "supervisionará a introdução e implementação destas e de outras medidas" referiu Blatter.

Está assim lançado o início de um novo ciclo na FIFA, após quase duas décadas de liderança do economista suíço. Recorde-se que ainda recentemente o português Luís Figo admitiu recentemente voltar a candidatar-se à presidência da FIFA, após ter desistido da corrida à última eleição.